Inclusão e inovação pedagógica: políticas e práticas de formação no ensino superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v13.nesp2.set2018.11646

Palavras-chave:

Educação Superior, Inclusão, Inovação pedagógica

Resumo

Nas propostas educacionais que privilegiam equidade e igualdade de oportunidades entre os diferentes sujeitos, pretende-se que a concepção de inclusão contribua para superar atitudes de indiferença e intolerância, estabelecendo uma disposição para a construção de culturas que respeitem e valorizem as diferenças humanas. Este estudo busca analisar como a política institucional de apoio aos estudantes com deficiência da Universidade Federal de Ouro Preto e um dos projetos extensionistas no campo da inclusão, desenvolvidos no Departamento de Educação, colaboram para o fortalecimento de uma postura inovadora e inclusiva. Essas ações institucionais e acadêmicas apontam para a necessidade de refletir sobre a função social das universidades e a constituição de um espaço formativo mais inclusivo.

Biografia do Autor

Marco Antônio Melo Franco, Departamento de Educação e Programa de Pós-graduação em Educação do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto

Graduação em Pedagogia (Faculdade de Educação / UFMG-1998), especialização em Neurociências (Instituto de Ciências Biológicas / UFMG-2012), mestrado em Educação (Faculdade de Educação / UFMG-2002) e doutorado em Ciências da Saúde, com ênfase em Saúde da criança e do adolescente (Faculdade de Medicina / UFMG-2009). Professor do Departamento de Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação do Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto. Membro do NESFE - Núcleo de Estudos Sociedade, Família e Escola / CNPQ e do MULTDICS - Grupo de pesquisa - Multiletramentos e usos de tecnologias digitais de informação e comunicação na Educação / CNPQ. Áreas de interesse e experiência: Inclusão e Alfabetização infantil. Temas de interesse e experiência: práticas pedagógicas inclusivas, desenvolvimento e processos de ensino e de aprendizagem, paralisia cerebral; práticas pedagógicas em alfabetização, dificuldades de aprendizagem e aquisição do sistema de escrita.

Marcilene Magalhães da Silva, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto (2016). Especialista em Filosofia pela UFOP (2003). Graduada em Pedagogia pela Fundação Comunitária Educacional e Cultural de João Monlevade (2000). Atualmente é técnica em assuntos educacionais da UFOP. Coordenadora do projeto de extensão Acessibilidade em Debate. Membro do grupo de pesquisa, estudo e extensão Caleidoscópio, vinculado ao CNPq. Membro do Núcleo de Apoio Pedagógico da UFOP. Membro do Observatório Internacional de inclusão, interculturalidade e inovação pedagógica - Formação de educadores: inclusão, interculturalidade e inovação pedagógica em contextos internacionais de Ensino Superior (Brasil, Cabo Verde, Chile, Portugal, Espalha). Participa da Associação Nacional de Pós-Graduação de Pesquisa em Educação (ANPEd). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em política educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação inclusiva, formação de professores, orientação pedagógica, coordenação de programas escolares, inclusão de pessoas com deficiência no ensino superior.

Edmilson Minoru Torisu, Departamento de Matemática da Universidade Federal de Ouro Preto

Possui graduação em Bacharelado em Matemática pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Licenciatura Plena em Matemática, Especialização em Educação Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto, Mestrado em Educação Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto e Doutorado em Educação (linha de pesquisa: Educação Matemática) pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais com período sanduíche na Rutgers - University of the State of New Jersey - USA. Tem grande interesse em estudos na área de Psicologia da Educação Matemática, em particular: afetividade, crenças, autoconceito e suas implicações no processo de ensino aprendizagem em Matemátca. A Teoria da Atividade e os cenários para investigação matemática são, também, de seu interesse. É professor adjunto do departamento de Matemática da Universidade Federal de Ouro Preto e professor colaborador do programa de pós-graduação em Educação Matemática desta mesma instituição.

Referências

AINSCOW, M. Tornar a educação inclusiva: como essa tarefa deve ser conceituada? In: FÁVERO, O. et al. (Org.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: Unesco, 2009. p. 11-23.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Didio. Brasilía: Liber Livro, 2007.

BUENO, J. G. S. As pesquisas e a produção do conhecimento em educação especial: as investigações sobre políticas de educação especial no Brasil. Distúrb Comun, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 285-297, dez. 2012.

CUNHA, M. I. (Org.). Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais. Araraquara: Junqueira & Marin, 2006.

CUNHA, M. I. Inovações pedagógicas: o desafio da reconfiguração de saberes na docência universitária. São Paulo: Edusp, 2008. (Coleção Cadernos de pedagogia universitária, caderno 6.)

CUNHA, M. I. Inovações na educação superior: impactos na prática pedagógica e nos saberes da docência. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 87-101, set.-dez. 2016.

FINO, C. N. Inovação pedagógica: significado e campo (de investigação). In: MENDONÇA. Alice; BENTO, António V. (Org.). Educação em tempo de mudança. Funchal: Grafimadeira, 2008. p. 277-287.

FLEURI, R. M. Intercultura e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 16-35, 2003.

FRANCO, M. A. S. Práticas pedagógicas de ensinar e aprender: entre resistências e resignações. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul.-set. 2015.

GATTI, B. A. Critérios de qualidade. PGM 1 – Formação de Professores a Distância. 2014. Disponível em: http://www.ufrgs.br/nucleoead/documentos/educacao2.htm. Acesso em: 01 maio 2015.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. Inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: políticas, práticas pedagógicas e cultura escolar. Rio de Janeiro: Editora Eduerj, 2011.

LUCARELLI, E. Asesoría pedagógica y cambio en la Universidad. Profesorado. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, v. 12, n. 1, 2008. Disponível em: http://www.ugr.es/local/recfpro/rev121ART7.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

SANTOS, M. P. dos. O papel do Ensino Superior na proposta de uma educação inclusiva. Revista Movimento, Faculdade de Educação da UFF, n. 7, p. 78-91, maio 2003.

SILVA, M. M. da. Processo de inclusão no Ensino Superior: o caso de estudantes com deficiência na Universidade Federal de Ouro Preto. 2016. 251f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

TOFFLER, Alvin. Choque do futuro. Lisboa: Edição Livros do Brasil, 1970.

VEIGA, I. P. A. Inovações e projeto-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Caderno Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, dez. 2003.

Downloads

Publicado

01/09/2018

Como Citar

FRANCO, M. A. M.; SILVA, M. M. da; TORISU, E. M. Inclusão e inovação pedagógica: políticas e práticas de formação no ensino superior. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. esp.2, p. 1320–1333, 2018. DOI: 10.21723/riaee.v13.nesp2.set2018.11646. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11646. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos