Avaliação na educação infantil e a dialética realidade-possibilidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17iesp.1.15819

Palavras-chave:

Educação infantil., Avaliação., Realidade e Possibilidade

Resumo

A Educação Infantil tem sido historicamente marcada por diversas concepções de ensino e, consequentemente, de avaliação. No caso da avaliação, ainda há diversas discussões em torno dos objetivos e mesmo da necessidade de uma avaliação na Educação Infantil. É nesse sentido que desenvolvemos a presente pesquisa, entre os anos de 2018 e 2020, com o objetivo de compreender a concepção docente acerca do processo de avaliação na Educação Infantil na rede municipal de João Pessoa/PB. O estudo foi desenvolvido em uma perspectiva qualitativa, tendo como metodologia o materialismo histórico e dialético. Os resultados possibilitam apontar que, enquanto reflexo de uma realidade histórica, a avaliação na Educação Infantil em João Pessoa tem se configurado de forma fragmentada. Assim como sinalizam que a Pedagogia da Infância, que embasa os discursos teóricos acadêmicos e os documentos da Educação Infantil nos CREI em João Pessoa, e a avaliação que baseia a Pedagogia Histórico-Crítica, são perspectivas que ainda se encontram no campo da possibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria das Graças de Almeida Baptista, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB – Brasil

Professora Associada vinculada ao Departamento de Fundamentação da Educação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Filosofia e Psicologia da Educação – ÁGORA/UFPB. Pós-Doutorado em Educação (UNICAMP).

Valdinélia Virgulino de Souza Silva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB – Brasil

Professora substituta vinculada ao Departamento de Educação Básica. Pesquisadora do Grupo ÁGORA/UFPB. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE).

Genilson José da Silva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB – Brasil

Professor substituto vinculado ao Departamento de Educação Básica. Pesquisador do Grupo de ÁGORA/UFPB. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE).

Referências

ARCE, A. Pedagogia da infância ou fetichismo da infância? In: DUARTE, N. (org.) Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

BAPTISTA, M.G.A. Gramsci e Vigotski: da educação ativa à educação crítica. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012.

BRASIL. Ministério da educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1-9, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf. Acesso em 10 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 2009. Disponível em: http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

CHEPTULIN, A. A dialética materialista: Categorias e leis da dialética. São Paulo: Alfa-Omega, 1982.

CURY, C. R. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 2. ed. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1986.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. (Coleção educação contemporânea).

GAMBOA, S. S. Fundamentos para la investigación educativa: Presupuestos epistemológicos que orientan al investigador. Santa Fe de Bogotá: Cooperativa Editorial Magistério, 1998.

JOÃO PESSOA. Plano de Ação 2017. Secretaria de Educação e Cultura -SEDEC. Coordenação de Educação Infantil. João Pessoa: Secretaria de Educação e Cultura -SEDEC/Coordenação de Educação Infantil, 2017.

JOÃO PESSOA. Manual de Orientações Pedagógicas. João Pessoa, 2018.

KISHIMOTO, T. Brincadeiras e narrativas infantis: contribuições de J. Bruner para a pedagogia da infância. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T.; PINAZZA, M. A. (org.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado: construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 249-275.

KRAMER, S. Com a pré-escola nas mãos: Uma alternativa curricular para a educação infantil. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1999. (Série: educação em ação).

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006. v. 3. (Biblioteca da Educação - Série 1 - Escola).

KUHLMANN JR., M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 4, p. 5-18, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a02.pdf. Acesso em: 25 jul. 2018.

LESSA. S.; TONET. I. Introdução à Filosofia de Marx. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

LUCKESI, C. C. O que é mesmo o ato de avaliar a aprendizagem? Pátio On-line, Porto alegre, ano 3, n. 12 fev./abr. 2000. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2511.pdf. Acesso em: 06 nov. 2019.

LUNT, I. A prática da avalição. In: DANIELS, H. (org.). Vygotsky em foco: pressupostos e desdobramentos. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 1997.

TRIVINOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VASCONCELLOS, C. S. Avaliação: concepção dialética libertadora do processo de avaliação escolar. 11. ed. São Paulo: Libertad, 2000.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Downloads

Publicado

01/03/2022

Como Citar

BAPTISTA, M. das G. de A.; SILVA, V. V. de S.; SILVA, G. J. da. Avaliação na educação infantil e a dialética realidade-possibilidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. esp.1, p. 0920–0937, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17iesp.1.15819. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15819. Acesso em: 25 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)