Aprendendo finanças de um jeito fácil e divertido: uma experiência com estudantes de escolas públicas

Autores

  • Kelmara Mendes Vieira Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações Públicas
  • Vanessa Martins Valcanover Universidade Federal de Santa Maria Mestranda em Administração Graduada em Administração
  • Franciele Brutti Universidade Federal de Santa Maria Graduada em Administração
  • Caroline Rosa Trindade Universidade Federal de Santa Maria Graduada em Administração
  • Josiane Júlia Kegler Universidade Federal de Santa Maria Graduada em Administração

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.8479

Palavras-chave:

Educação financeira. Escolas públicas. Jovens.

Resumo

A educação financeira pessoal é fundamental na sociedade, visto que influencia diretamente nas decisões econômicas dos indivíduos. Nesse sentido, o presente estudo, baseado em um projeto que desenvolveu e aplicou um curso de educação financeira para jovens, tem como objetivo medir o nível de conhecimento financeiro dos alunos, antes e depois da aplicação do curso. A amostra englobou 302 alunos do ensino fundamental de escolas públicas de Santa Maria, que tinham entre 11 e 17 anos. Os resultados mostram que os alunos possuíam um baixo conhecimento financeiro, que melhorou após o curso, e que as variáveis “nota em matemática”, “escolaridade dos pais” e “renda mensal familiar total” são significativas para o nível de conhecimento financeiro dos estudantes.

Referências

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS (APB). Educação financeira. Lisboa, 2014. Disponível em: <http://www.apb.pt/educacao_financeira>. Acesso em: 15 mar. 2015.

ATKINSON, A.; MESSY, F. Measuring financial literacy: results of the OECD / International Network on Financial Education (INFE) pilot study. 2012. Disponível em <http://dx.doi.org/10.1787/5k9csfs90fr4-en>. Acesso em: 02 abr. 2015.

BRASIL. ENEF - Estratégia Nacional de Educação Financeira. 2010. Disponível em: <http://www.vidaedinheiro.gov.br/Enef/>. Acesso em: 02 abr. 2015.

BOTTAZZI, R.; JAPPELLI, T.; PADULA, M. The portfolio effect of pension reforms: evidence from Italy. Journal of Pension Economics and Finance, v. 10, n. 1, p. 75-97, 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1017/S147474721000003X> Acesso em: 05 abr. 2015.

CHAVES, M.S. Educação financeira e inadimplência no Brasil. Observatorio de la Economia Latinoamericana, n. 206, 2015. Disponível em: <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/15/inadimplencia.hmtl> Acesso em: 20 out. 2015.

FINKE, M. S.; HOWE, J. S.; HUSTON, S. J. Old Age and the Decline in Financial Literacy. Social Science Research Network Working Paper, 2011. Disponível em: < http://www.tilkingroup.com/texastech.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2015.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, 1997.

GREMAUD, A.P.; TONETO, R.J.; VASCONCELLOS, M.A.S. Manual de Economia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

GUIMARÃES, I.A.; NETO, A.C. Reconhecimentos de padrões: Metodologias estatísticas em crédito ao consumidor. Revista de Administração de empresas. v. 1, n. 2, 2002.

JACOB, K. et al. Tools for survival: An analysis of financial literacy programs of lowerincome families. Chicago: Woodstok Institute, 2000.

LUSARDI, A.; MITCHELL, O. S. Financial literacy and retirement planning in the United States. Journal of Pension Economics and Finance, Cambridge University Press, v. 10, n.04, p. 509-525, 2011.

LUSARDI, A.; MITCHELL, O. S.; CURTO, V. Financial Literacy among the Young. The journal of consumer affairs, v. 44, n. 2, p. 358-380, 2010.

MARTIN, N.C.; SANTOS, L.R.; FILHO, J.M.D. Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo de controladoria. Revista Contabilidade & Finanças. v. 15, n. 34, 2004.

MODERNELL, A. Por que educação financeira para crianças? 2011. Disponível em: <http://www.maisativos.com.br/index.php?ac=leiamais&ar=50>. Acesso em: 20 out. 2015.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Financial literacy and inclusion: Results of OECD/INFE survey across countries and by gender. OECD Publishing, 2013a. Disponível em: <http://www.oecd.org/daf/fin/financialeducation/TrustFund2013_OECD_INFE_Fin_Lit_and_Incl_SurveyResults_by_Country_and_Gender.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2015.

______. Improving Financial Literacy: analysis of issues and policies. 2009. Disponível em:<ftp://ftp.fsb.co.za/public/Consumer%20Education/Presentations

/2009%20Improving_Financial_%20Literacy.pdf>. Acesso em: 07 abr. 2015.

______. Recommendation on principles and good practices for financial education and awareness. 2005. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2015.

ROOIJ, M. C. J. V.; LUSARDI, A.; ALESSIE, R. J. M. Financial literacy and retirement planning in the Netherlands. Journal of Economic Psychology, v. 32, n. 4, p. 593-608, 2011.

SALLIE, M. How Undergraduate Students Use Credit Cards. 2009. Disponível em: <http://www.salliemae.com/NR/rdonlyres/0BD600F1-9377-46EA-AB1F-6061FC763246/10744/SLMCreditCardUsageStudy41309FINAL2.pdf>. Acesso em: 12 out. 2015.

URBINA, C.M.; EID, W. JR. Análise sobre o impacto do desenvolvimento econômico e social no desempenho dos alunos no exame de matemática dos países participantes do PISA 2012. In: 2° Encontro Brasileiro de Economia e Finanças Comportamentais, 2015. São Paulo: FGV, 2015.

Downloads

Publicado

04/03/2017

Como Citar

VIEIRA, K. M.; VALCANOVER, V. M.; BRUTTI, F.; TRINDADE, C. R.; KEGLER, J. J. Aprendendo finanças de um jeito fácil e divertido: uma experiência com estudantes de escolas públicas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. esp., p. 845–861, 2017. DOI: 10.21723/riaee.v12.n2.8479. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8479. Acesso em: 2 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos