Apontamentos sobre a expansão da graduação tecnológica no Brasil

José Deribaldo Gomes dos Santos, Antonia Solange Pinheiro Xerez

Resumo


Analisa a política de expansão da Educação superior no Brasil que, em tempos de reformas do Estado, opta pela precarização da universidade, enquanto valoriza a expansão da graduação tecnológica, objeto específico desta exposição. A opção teórico-metodológica recai sobre materialismo histórico-dialético, pois, do ponto de vista crítico, tal proposta é a que mais se aproxima da realidade, possibilitando ao investigador chegar o mais próximo possível do objeto estudado. Para efeito desta comunicação, serão recortados e submetidos a uma leitura imanente alguns documentos oficiais, bem como determinadas pesquisas que se empenham em debater o assunto.



Palavras-chave


Educação superior. Graduação tecnológica. Política pública. Educação profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. La Enseñanza Superior: las lecciones derivadas de la experiencia. Washington, D.C: Banco Internacional de Reconstrucción y Fomento / Banco Mundial, 1995. Disponível em: . (Série: El desarrollo em la práctica). Acesso em: 3 mai. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares: nível tecnológico. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Políticas públicas para a Educação profissional e tecnológica. Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo escolar da Educação superior 2007. Brasília, DF: Inep/Deaes, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo escolar da Educação superior 2010: resumo técnico. Brasília, DF: Inep/Deaes, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo escolar da Educação superior 2011: resumo técnico. Brasília, DF: Inep/Deaes, 2013.

CASTRO, Cláudio de Moura. Os communitycolleges: uma solução viável para o Brasil? Brasília: Inep, 2000.

FARIAS,Aracélia C.; SANTOS, Deribaldo; FREITAS, Maria Cleidiane C. Ensino médio integrado no Estado do SANTOS, Deribaldo et al (Orgs). Educação pública, formação profissional e crise do capitalismo contemporâneo. Fortaleza: EdUECE, 2013.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5.ed. São Paulo: Globo, 2006.

FOLHA DIRIGIDA (2001). Universidade e ignorância. Observatório da Imprensa. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2011.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Universidade pública, trabalho e projeto de desenvolvimento no Brasil sob o pêndulo da regressão social. In: MOLL, Jaqueline; PALMIRA, Sevegnani. Universidade e mundo do trabalho. Brasília: Inep, 2006. (Coleção Educação Superior em Debate, 3).

GIOLO, Jaime. A educação tecnológica superior no Brasil: os números de sua expansão. In: MOLL, Jaqueline; PALMIRA, Sevegnani. Universidade e mundo do trabalho. Brasília: Inep, 2006. (Coleção Educação Superior em Debate, 3).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD): síntese dos indicadores de 2009. Brasília, DF, 2010.

LIMA FILHO, D. L. Os organismos internacionais e a Educação profissional: investigação sobre os determinantes da Reforma da Educação Profissional no Brasil. 1998. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

LUKÁCS, Georg. Prolegômenos para uma ontologia do ser social: questões de princípios para uma ontologia hoje tornada possível. São Paulo: Boitempo, 2010.

LUKÁCS, Georg. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta. Ensino superior no Brasil: expansão, diversificação e inclusão. Preparado para apresentação no Congresso da LASA (Associação de Estudos Latino Americanos) – São Francisco, Califórnia, 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2013.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA (Unesco). Informe sobre laeducación superior en América Latina y el Caribe 2000-2005: lametamorfosis de laeducación superior. Caracas: IESALC, 2006.

PACHECO, Eliezer; RISTOFF, Dilvo I. Educação superior: democratizando o acesso. Brasília: MEC/Inep, 2004.

PAIVA, Aline Nunes. O viés mercadológico do programa de educação para todos: uma análise onto-crítica das políticas educacionais brasileiras. Dissertação – (Mestrado) - Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação Ciências e Letras do Certão Central e Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos – UECE/FECLESC/FAFIDAM. Limoeiro do Norte/CE, 2016.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Desenvolvimento e crise no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1980.

SANTOS, Deribaldo; JIMENEZ, Susana; MENDES SEGUNDO, Maria das Dores. O ideário educacional competente no contexto da crise estrutural do capital. Cadernos de Pesquisa em Educação PPGE-UFES, v. 17, p. 9-33, 2011.

SANTOS, Deribaldo; JIMENEZ, Susana; MENDES SEGUNDO, Maria das Dores. Graduação tecnológica no Brasil: crítica à expansão do ensino superior não universitário. Curitiba: CRV, 2012.

SANTOS, Deribaldo; JIMENEZ, Susana; MENDES SEGUNDO, Maria das Dores. Concepções epistemológicas e onto-históricas da técnica e da tecnologia: um debate no legado de Álvaro Vieira Pinto. In: SANTOS, Deribaldoet al. (Orgs.). Educação pública, formação profissional e crise do capitalismo contemporâneo. Fortaleza: EdUECE, 2013.

SILVA JUNIOR, João dos Reis. Pragmatismo e populismo na Educação superior: nos governos de FHC e Lula. São Paulo: Xamã, 2005.

TAKAHASHI, Adriana Roseli Wünsch; AMORIM, Wilson Aparecido Costa de. Reformulação e expansão dos cursos superiores de tecnologia no Brasil: as dificuldades da retomada da educação profissional. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 59, p. 207-228, abr./jun. 2008.

VIEIRA PINTO, Álvaro. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contrapontos, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9712



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.