Ensino, tecnologia e preconceito: diário de campo em uma escola destinada ao público LGBTTT no Brasil

Renan Antônio Silva

Resumo


O Programa Federal Brasil “Sem Homofobia” foi lançado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) em 2004, através do Conselho Nacional de Combate à Discriminação (CNCD). Este programa tem como objetivo combater a violência e a discriminação contra o grupo LGBT e promover cidadania homossexual, questionando temas relativos à homossexualidade em todos os Ministérios do Governo, além de propor políticas que apreciem esta população nas mais variadas esferas, entre elas a educação. No âmbito destas políticas, foi criada em Campinas-SP uma escola voltada para o público LGBTTT, chamada E-JOVEM. Desse modo, este artigo objetiva conhecer a realidade vivida pelos alunos e professores nessa referida escola e as possíveis transformações vividas tanto no âmbito pessoal (aprendizagem, liberdade, entre outros) quanto no âmbito coletivo, relativo ao combate à homofobia. Tais mudanças ou não, foram descritas em formato de diário de campo. Além da importância da escola na construção de uma sociedade que valorize a diversidade, o projeto E-JOVEM contempla o uso das novas Tecnologias na Educação, tendo em vista o desenvolvimento de uma sociedade cada vez mais tecnológica e a consequente inserção dessas novas Tecnologias no processo de ensino aprendizagem. Os resultados preliminares apontam que afirmar-se gay ou lésbica é dizer, a princípio, que não viverá segundo o natural e o convencional, que irá experimentar uma forma nova de casamento e família, que não a esperada por pais, tios, avós, etc. 


Palavras-chave


Escola. Inclusão. Tecnologia. Diário de campo.

Texto completo:

PDF

Referências


BORRILLO, D. Homofobia. Espanha: Bellaterra, 2001.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Os nuer: uma descrição do modo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Editora UNICAMP, 1990.

PORTELLI, A. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo, Universidade Federal Fluminense, v. 1, n. 2, 1996, p. 59-7.

MAUSS, M. Manual de etnografia. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

SCHULMAN, S. Ties that bind: Familial Homophobia and its Consequences. New York: The New, 2009.

TIN, L. G. (Org). The Dictionary of homophobia. Vancouver: Arsenal Pulp Press, 2008.

WELZER-LANG, D. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 2, Florianópolis, 2001.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10291



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.