Avaliação da aprendizagem na educação especial e as influências das políticas nacionais

Tania Mara Zancanaro Pieczkowski

Resumo


Avaliação é um tema desafiador e avaliar estudantes com deficiência é ainda mais complexo. Este texto objetiva evidenciar aspectos da avaliação da aprendizagem de estudantes com deficiência, público da educação especial, nos diferentes níveis de ensino e sua relação com as políticas nacionais de avaliação. Está inspirado na Tese de doutorado da autora, especialmente numa das questões de estudo, que tratou da avaliação da aprendizagem de estudantes com deficiência no contexto universitário. São consideradas também, neste artigo, outras pesquisas, as quais investigaram a inclusão na educação básica, de forma que compreender como acontece a avaliação da aprendizagem de estudantes com deficiência na escola inclusiva se constitui o atual problema de investigação. O material empírico gerado por meio de entrevistas narrativas foi examinado pela perspectiva da análise do discurso, amparada em referenciais foucaultianos. Os estudos apontam para a ambivalência da avaliação no contexto da escola inclusiva, que divulga princípios como temporalidade distinta, respeito à diferença, porém organiza-se, predominantemente, em tempos e espaços fixos para todos. A presença de estudante com deficiência no sistema educacional gera movimento, no sentido de desnaturalizar estruturas padronizadas, o que reverbera nas práticas de avaliação.


Palavras-chave


Avaliação; Estudantes com deficiência; Educação inclusiva; Diferença

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


AMARAL, Ligia Assumpção. Pensar a diferença/deficiência. Brasília: Corde, 1994.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais. 4 ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES e dá outras Providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em: 30 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação Inclusiva: Atendimento Educacional Especializado para a Deficiência mental. Brasília, MEC/SEEP, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 30 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 jul. 2012, seção I, p. 23. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/provinha_brasil/legislacao/2013/portaria_n867_4julho2012_provinha_brasil.pdf. Acesso em: 30 jun. 2017.

BRASIL. INEP. Censo da educação superior de 2013. Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação, 2015. Disponível em: http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 24 out. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2014a. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/doc/pne-2014-20241.pdf. Acesso em: 20 jul. 2014.

BRASIL. Sinaes. Conaes. INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Instrumento de avaliação institucional externa: subsidia os atos de credenciamento, recredenciamento e transformação da organização acadêmica (presencial). Brasília, DF, 2014b.

BRASIL. INEP. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Instrumento de avaliação de cursos de graduação presencial e a distância. Brasília, DF, 2015.

CHIZZOTTI, Antonio. Políticas públicas: direito de aprender e avaliação formativa. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 3, p. 561-576, set./dez., 2016.

CUNHA, Maria Isabel da. Políticas públicas e docência na universidade: novas configurações e possíveis alternativas. In: CUNHA, Maria Isabel da. I. Formatos avaliativos e concepção de docência (Org.). Campinas: Autores Associados, 2005. p. 69-91. (Coleção Educação contemporânea)

ESTRELA, Maria Teresa. Ética e pedagogia no ensino superior. In: LEITE, Carlinda (Org.). Sentidos da pedagogia no ensino superior. Portugal: CIIE/Livpsic, 2010. p. 11-28. (Coleção Ciências da Educação, 7)

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de pesquisa, Porto Alegre, n. 114, p. 197-223, nov. 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GALLO, Sílvio. Repensar a educação: Foucault. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 79-97, jan./jun., 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 14 abr. 2014.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

SAEB. 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/educacao-basica/saeb. Acesso em: 08 nov. 2017.

ITARD, Jean. Relatório II - Relatório feito a Sua Excelência o Ministro do Interior sobre os novos desenvolvimentos e o estado atual do Selvagem do Aveyron. In: BANKS-LEITE, Luci.; GALVÃO, Izabel (Orgs.). A educação de um selvagem: as experiências pedagógicas de Jean Itard. São Paulo: Cortez, 2000. p. 179-229.

LOPES, Maura Corcini. Políticas de inclusão e governamentalidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, 2009, p. 153-170.

MENEZES, Eliana da Costa Pereira de. A maquinaria escolar na produção de subjetividades. 2011. 189f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2011.

PIECZKOWSKI, Tania Mara Zancanaro. Inclusão de estudantes com deficiência na educação superior: efeitos na docência universitária. 2014. 208f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2014.

SANTOS, Mônica Pereira dos. Perspectiva histórica do movimento integracionista na Europa. Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, n. 3, p. 21-29, 1995.

TIFFIN, John; RAJASINGHAM, Lalita. A universidade virtual e global. Tradução de Vinícius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2007.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcini. Inclusão e governamentalidade. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100-Especial, p. 947-963, 2007.

VEIGA-NETO, Alfredo. Neoliberalismo, império e políticas de inclusão: problematizações iniciais. In: RECHICO, Cinara Franco.; FORTES, Vanessa Gadelha. (Org.), A educação e a inclusão na contemporaneidade. Boa Vista: UFRR, 2008, p. 11-28.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e educação: outros estudos foucaultianos. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, (Ciências Sociais da Educação), 2011, p. 225-247.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.n4.out/dez.2018.10882



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.