“Eu fiz um esquecimento do meu passado de professora”: memória, narrativa e experiência como caminho epistemológico na formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.11106

Palavras-chave:

Memória, Experiência, Formação de professores, Epistemologia.

Resumo

O objetivo deste texto é problematizar, epistemologicamente, a formação de professores diante das recentes regulações jurídicas resultantes da pesquisa, do debate acadêmico e das políticas públicas implementadas há mais de vinte anos no Brasil. O texto está estruturado em três itens. O primeiro situa o contexto de avanço nas políticas públicas e seu compromisso com os direitos das crianças. O segundo apresenta a formação a partir das narrativas de duas professoras aproximando-as de referências teóricas desse campo de estudos. O terceiro momento problematiza a formação, com base em práticas observadas e nos conceitos de experiência e narrativa. As narrativas são entrelaçadas - no texto - à formação de professoras e aos conceitos que podem ajudar a enfrentar problemas identificados. As considerações finais enfatizam a urgência de considerar e praticar a formação como experiência coletiva (ética, portanto), como experiência estética e como percurso de produção de conhecimento.

Biografia do Autor

Alexandra Coelho Pena, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Graduada em Psicologia pela USU, Especialista em Educação Infantil pela PUC-Rio, Mestre pelo Instituto de Psicologia da UFRJ e Doutora em Educação pela PUC-Rio com a tese intitulada Para explicar o presente, tem que estudar a história do passado: histórias de vida de profissionais de escolas comunitárias de Educação Infantil da Baixada Fluminense. Integrante do Grupo de Pesquisa INFOC (Infância, Formação e Cultura) desde 2011. Professora do Curso de Especialização em Educação Infantil: perspectivas de trabalho em creches e pré-escolas da PUC-Rio. Bolsista de Pós-doutorado no Departamento de Educação da PUC-Rio. Experiência nas áreas de Psicologia Escolar, Educação Infantil, Formação de Professores e Pesquisa.

Leonor P. B. Toledo, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professora do Departamento de Educação da PUC-Rio.

Sonia Kramer, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

É professora do Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, onde coordena: o Curso de Especialização em Educação Infantil, o Curso de Pós-Graduação em Estudos Judaicos, o Grupo de pesquisa sobre Infância, Formação e Cultura (INFOC), o Curso Trajetórias Judaicas no Rio de Janeiro, realizado em convênio PUC-Rio e Museu de Arte do Rio/MAR; o Projeto Yiddish como Resistência e experiência identitária.

Referências

BARRETO, E. S. de S. e GATTI, B. A. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I. Magia e Técnica. Arte e Política, São Paulo, Ed. Brasiliense, 1985.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

BRASIL. Resolução CNE/SEB 5/2009, estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil. O Diário Oficial da União de 2009.

BRASIL. Constituição Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 11.274, a ampliação do ensino fundamental para 9 anos, de 6 de fevereiro de 2006a.

BRASIL. Lei nº 12.796, aprovação da obrigatoriedade escolar dos quatro aos dezessete anos, de 04 de abril de 2013.

BRASIL. Lei nº 13.005, aprovação do Plano Nacional de Educação, de 25 de junho de 2014.

BRASIL. Lei no 9.394. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Parâmetros nacionais de qualidade para a Educação Infantil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica: Brasília, 2006b.

BUBER, M. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 2003a.

BUBER, M. El camino del ser humano y otros escritos. Madrid: Fundación Emmanuel Mounier, 2003b.

BUBER, M. Do diálogo e do dialógico. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CAMPOS, M. M., FÜLLGRAF, J. e WIGGERS, V. A qualidade da educação infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, abr. 2006, vol.36, no. 127, p. 87-128.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

JAPIASSU, H. O estatuto epistemológico das ciências humanas. Rio de Janeiro, 1988. (mimeo).

KRAMER, S.; CORSINO, P.; NUNES, M. F. R. Infância e Crianças de 6 anos: desafios das transições na Educação Infantil e Ensino Fundamental. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 37, p. 69-85, 2011.

LÖWY, M. Redenção e utopia: o judaísmo libertário na Europa Central. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

NÓVOA, A. A formação tem de passar por aqui: as histórias de vida no projeto Prosalus. Universidade de Lisboa: Lisboa, 1988.

NUNES, M. F. R.; CORSINO, P.; KRAMER, S. Educação infantil e políticas municipais: um estudo longitudinal. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas. Impresso), v. 43, p. 152-175, 2013.

OSWALD, M. L. Educação pela carne: estesia e os processos de criação. In: Educação experiência estética. PASSOS, M. C. P.; PEREIRA, R. M. R. (orgs.). Rio de Janeiro: NAU, 2011.

PENA, A., BARROS, C. e CASTRO, M. Formação dos profissionais de educação infantil: ações e desafios. In: NUNES, M. F., CORSINO, P. e KRAMER, S. [et al.]. Relatório de Pesquisa Educação Infantil e formação de profissionais no estado do Rio de Janeiro (1999-2009). Rio de Janeiro: Traço e Cultura, 2011.

QUEIRÓS, B. C., Ilustrações Camila Mesquita. Os cinco sentidos. 3ª edição. São Paulo: Global, 2009.

SMOLKA, A. L. B.; LAPLANE, A. L. F.; MAGIOLINO, L. L. S.; DAINEZ, D. O problema da avaliação das habilidades socioemocionais como política pública: explicitando controvérsias e argumentos. In: Educação e Sociedade. Campinas, v. 36, n. 130, p. 219-242, mar. 2015.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

PENA, A. C.; TOLEDO, L. P. B.; KRAMER, S. “Eu fiz um esquecimento do meu passado de professora”: memória, narrativa e experiência como caminho epistemológico na formação de professores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, p. 2008–2025, 2018. DOI: 10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.11106. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11106. Acesso em: 27 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos