As juventudes e as tecnologias: horizontes educacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i2.12718

Palavras-chave:

Juventudes, Tecnologias, Educação

Resumo

O estudo discute sobre os diferentes modos de viver das juventudes em meio às aprendizagens sociais e culturais estimuladas pelas tecnologias digitais, tomando por base as abordagens mapeadas em teses de doutorado produzidas de 2012 a 2016. Trata-se de uma pesquisa hermenêutico-reconstrutiva realizada no portal da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações no campo da educação, com o objetivo de identificar as problemáticas, as interlocuções e os desafios sobre as juventudes e as tecnologias digitais. Trata-se de reconhecer as relações entre diferentes perspectivas que vêm ao nosso encontro desde o final do século XX, correspondendo às mudanças sociais que o contexto midiático está provocando nas (im)possibilidades do diálogo intercultural das juventudes. Os debates sobre a cultura digital e seus entrelaçamentos com a formação dos jovens retroalimentam os processos educacionais, no sentido de ir além da ingenuidade instrumental, o que demanda um impulso prático à intercomunicação no mundo com as juventudes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adilson Cristiano Habowski, Universidade La Salle (UNILASALLE), Canoas – RS

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação. Bolsista CAPES/PROSUC. Integrante do Núcleo de Pesquisas sobre Tecnologias na Educação – NETE/CNPq.

Elaine Conte, Universidade La Salle (UNILASALLE), Canoas – RS

Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação. Líder do Núcleo de Pesquisas sobre Tecnologias na Educação – NETE/CNPq. Doutorado em Educação (UFRGS).

Carla Milbradt, Universidade La Salle (UNILASALLE), Canoas – RS

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação. Integrante do Núcleo de Pesquisas sobre Tecnologias na Educação – NETE/CNPq.

Referências

ADORNO, T. W. Indústria cultural e sociedade. Trad. Juba Elisabeth Levy. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ASSMANN, H. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2000.

ASSUNÇÃO, Z. S. Metrópole digital: o jovem aprendiz na educação tecnológica. 2014. 256 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

BARBOSA, F. C. Rede de aprendizagem em robótica: uma perspectiva educativa de trabalho com jovens. 2016. 366 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

BORGES, B. S. Juventude, trabalho e educação superior: a geração y em análise. 2014. 154 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

BORTOLAZZO, S. F. Narrativas acadêmicas e midiáticas produzindo uma geração digital. 2015. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

BOURDIEU, P. O Senso prático. Petrópolis: Vozes, 2009.

CARRANO, P.; MARTINS, C. M. A escola diante das culturas juvenis: reconhecer para dialogar. Educação, Santa Maria, v. 36, n. 1, p. 43-56, 2011.

CONTE, E.; HABOWSKI, A. C. O agir comunicativo na educação como dispositivo e autoridade epistêmica à práxis tecnológica. Educ. Soc., Campinas, v. 40, e0193424, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302019193424

CONTE, E.; HABOWSKI, A. C.; RIOS, M. B. Ressonâncias das tecnologias digitais na educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 31-45, 2019. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i1.11110

DAYRELL, J. A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, 2007.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 11. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 36. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HABERMAS, J. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. São Paulo: Loyola, 2004.

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E. Cultura digital versus autoridade pedagógica: tendências e desafios. Linhas Críticas, Brasília, v. 24, p. 494-517, dez. 2018. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v24i0.18993

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E.; MILBRADT, C. Inter-relações entre juventudes, educação e tecnologias digitais. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 6, p. 6179-6196, jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n6-128

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E.; TREVISAN, A. L. Por uma cultura reconstrutiva dos sentidos das tecnologias na educação. Educ. Soc., Campinas, v. 40, n.2, p. 1-15, jul. 2019.: https://doi.org/10.1590/es0101-73302019218349

HABOWSKI, A. C. Teoria crítica da tecnologia e educação: desafios contemporâneos. 2019. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade La Salle, Canoas, 2019. Disponível em: http://repositorio.unilasalle.edu.br/bitstream/11690/1249/1/achabowski.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

LÉVY, P. A inteligência coletiva. Por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. Trad. L. P. Rouanet. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34,1993.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2000.

MARCUSE, H. Tecnologia, guerra e fascismo. Textos inéditos. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

PISCITELLI, A. Ciberculturas 2.0: en la era de las máquinas inteligentes. 1. ed. Buenos Aires: Paidós, 2002.

PRIOSTE, C. D. O adolescente e a internet: laços e embaraços no mundo virtual. 2013. 361 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

SILVA, J. C. Produção de jogos digitais por jovens: uma possibilidade de interação com a Matemática. 2016. 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

SILVA, L. Q.; JUNG, H. S.; FOSSATTI, P. A gestão de novas metodologias: uma aliança entre tradição e inovação. Cadernos de Pós-Graduação, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 103-126, jan./jun. 2019. DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v18n1.11450

SILVEIRA, S. A.; CASSINO, J. (Org.). Software livre e inclusão digital. São Paulo: Editora Conrad Brasil, 2003.

SOUZA, C. C. Juventude(s), mídia e escola: ser jovem e ser aluno face à midiatização das sociedades contemporâneas. 2014. 376 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2014.

SPOSITO, M. P. (Coord.). O estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (1999-2006). Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009. v. 1.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada: filosofia da sensação. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE QUALIDADE DE SOFTWARE, 10., 2011, Curitiba. Anais[...] Curitiba, PR: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2011.

Publicado

22/01/2021

Como Citar

HABOWSKI, A. C.; CONTE, E.; MILBRADT, C. As juventudes e as tecnologias: horizontes educacionais. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 2, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i2.12718. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12718. Acesso em: 8 mar. 2021.