Valorização, precarização e reconhecimento dos professores de creches universitárias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15i1.12780

Palavras-chave:

Políticas públicas, Educação infantil, Creche universitária.

Resumo

Este artigo é um recorte de pesquisa de mestrado cujo objetivo foi discutir Políticas Públicas para Educação Infantil: implementação de creches universitárias na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Trata-se de uma pesquisa qualitativa com aporte teórico no materialismo histórico dialético. Os dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas e análise de documentos legais e normativos da Instituição estudada. O estudo revela que as creches da UESB enfrentam dilemas desde a implementação, há trinta anos, sejam: a falta de valorização profissional, a precarização dos contratos trabalhistas e a falta de reconhecimento desses espaços no interior da instituição como campo de pesquisa e de formação para alunos da própria universidade.

Biografia do Autor

Silvânia Brito Araújo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Vitória da Conquista – BA

Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED/UESB). Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil do Núcleo Pedagógico do Município de Vitória da Conquista. Mestre em Educação pela UESB. Membro do Grupo de Pesquisa LUDIPPE – Ludicidade, Didática, Política e Praticas de ensino. 

Ennia Débora Passos Braga Pires, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – (UESB), Vitória da Conquista – BA

Docente do Departamento de Ciências Humanas, Educação e Linguagem e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UESB). Doutora em Educação pela UNICAMP. Líder do Grupo de Pesquisa LUDIPPE – Ludicidade, Didática, Política e Práticas de Ensino.

Geovania Fagundes Ribas, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – (UESB), Vitória da Conquista – BA

Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED/UESB).  Docente do Instituto Federal de Ciências e Tecnologia da Bahia. Mestre em Educação pela UESB. Membro do Grupo de Pesquisa LUDIPPE – Ludicidade, Didática, Política e Praticas de ensino.

Referências

ALVES, Giovanni. O novo e precário mundo do trabalho restruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2005.

ALVES, Giovanni. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2 ed. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ANTUNES, Ricardo; DRUCK, Graça. A terceirização como regra? Revista TST, Brasília, v. 79, n. 4, out./dez. 2013.

FAGUNDES, Magali dos Reis. A creche no trabalho... o trabalho na creche: um estudo sobre o Centro de Convivência Infantil da Unicamp: trajetória e perspectivas. 1997. 179f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

FÁVERO, Maria de Lourdes de. A universidade em questão: como resgatar suas relações fundamentais? In: VIEIRA, Sofia Lerche Vieira et al. (Org.). A Universidade em Questão. São Paulo: Autores Associados, p. 41-54, 1989.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. A Experiência do trabalho e a Educação Básica. Rio de Janeiro: DP& A, 2002.

HADDAD, Lenira. A creche em busca da identidade: perspectivas e conflitos na construção de um projeto educativo. 2. ed. São Paulo: Quiron; Loyola, 1993.

LOPES, Roberto Paulo Machado. Universidade pública e desenvolvimento local: uma abordagem a partir dos gastos da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista: Edições UESB, 217 p., 2003.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARCIEL, Marcelo de Abreu. Com quem ficam as crianças?: um estudo da relação casa/escola no espaço pré-escolar. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã. Trad. de Luiz Cláudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Trad. de Reginaldo Sant’Anna. 19 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, 2004.

RAUPP, Marilene Dandolini. A Educação Infantil nas Universidades Federais. 2002. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Santa Catarina, 2002.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. A pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia da educação infantil. Florianópolis: UFSC, 2001.

ROSEMBERG, Fúlvia. A educação pré-escolar brasileira durante os governos militares. Cadernos de Pesquisa. n. 82. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, ago. 1992.

SAVIANI, Dermeval. A política educacional no Brasil. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena (Orgs.). Histórias e Memórias da Educação no Brasil. Vol. III: Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

UESB. Documento de Implantação da Creche Bem Querer, Campus de Vitória da Conquista - BA, 1988.

UESB. Documento de Implantação da Creche Casinha do Sol, Campus de Jequié - BA, 1998.

UESB. Informativo Creche Casinha do Sol, Campus de Jequié - BA, 2016.

UESB. Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI (2013-2017).

UESB. Nossos Campi. Campus de Vitória da Conquista. Vitória da Conquista – BA, 2018. Disponível em: http://www2.uesb.br/nossos-campi/vitoria-da-conquista/. Acesso em: 10 jun. 2018.

Publicado

02/01/2020

Como Citar

ARAÚJO, S. B.; PIRES, E. D. P. B.; RIBAS, G. F. Valorização, precarização e reconhecimento dos professores de creches universitárias. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 221–235, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15i1.12780. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12780. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos