Âncora nebulosa da formação inicial de professores para a infância: como enfrentaremos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i3.13467

Palavras-chave:

Formação de professores, Educação infantil, Universidades públicas

Resumo

O intuito deste texto é analisar a formação inicial de professores para a educação infantil no contexto brasileiro atual, estudando especificamente o processo formativo no Curso de Pedagogia de duas universidades estaduais públicas do estado do Paraná. Essa análise é primordial nos contextos social e educacional vigentes, caracterizados por vários retrocessos e por baixos investimentos governamentais. A metodologia é um estudo bibliográfico na modalidade de análise documental, tomando por base o método histórico e a análise de disciplinas específicas voltadas à formação inicial para o trabalho na educação infantil do Curso de Pedagogia das Universidades Estaduais de Londrina e de Maringá, ambas localizadas no Paraná. Os resultados direcionam para a possibilidade emancipatória da formação inicial docente, com fundamentos teórico-metodológicos críticos e humanizadores do ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa Toshie Irie Saito, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR

Professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação (USP).

Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação (UEM).

Solange Franci Raimundo Yaegashi, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá – PR

Professora do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação (UNICAMP).

Referências

AMÂNCIO, L. O Gênero no discurso das Ciências Sociais. Análise Social, v. 168, p. 687-714, 2003.

ARCE, A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de pesquisa, n. 113, p. 167-184, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a09n113.pdf. Acesso em: 14 mar. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 27 dez. 1961. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-normaatualizada-pl.pdf. Acesso em: 14 mar. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-norma-pl.html. Acesso em: 14 mar. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 19 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais para a formação de professores. Brasília, DF: MEC/SEF, 1999.

CERISARA, A. B. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

BRASIL. Lei n. 11.274, 6 de fevereiro de 2006. Dispõe sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 fev. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11274.htm. Acesso em: 19 mar. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, Licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 maio 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 14 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. Brasília, DF: MEC/ SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 04 dez. 2020.

DRUMOND, V. Formação de professoras e professores de Educação Infantil: por uma Pedagogia da Infância. Zero-a-seis, v. 20, n. 38, p. 288-301, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n38p288. Acesso em: 14 mar. 2020.

FORMOSINHO, J. A universidade e a formação de educadores de infância: potencialidades e dilemas. In: MACHADO, M. L. A. (Coord.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 169-188.

GONÇALVES, J. P.; OLIVEIRA, E. L. Diversidade cultural e relações de gênero em uma escola indígena sul-mato-grossense. Educação e Pesquisa, v. 44, e185144, p. 1-19, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/W4bz7dfNGWqRLyKsp9brBXG/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

JAEGER, A. A.; JACQUES, K. Masculinidades e docência na educação infantil. Revista Estudos Feministas, v. 25, n. 2, p. 545-570, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/M9qfpLxghJxZPF7qxKDG59n/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2013.

KISHIMOTO, T. M. Avanços e retrocessos na formação dos profissionais de educação infantil. In: MACHADO, M. L. A. (Coord.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 107-115.

KRAMER, S. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

KUHLMANN JÚNIOR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2004.

MONTEIRO, M. K.; ALTMANN, H. Homens na educação infantil: olhares de suspeita e tentativas de segregação. Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 153, p. 720-741, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/RLTGrW43VVJqGZPpr3Qdk5p/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

NASCIMENTO, S. M. B.; LIRA, A. C. M. Marcos legais para a formação de professores da educação infantil e desafios à docência. Zero-a-seis, v. 19, n. 35, p. 99-116, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2017v19n35p99. Acesso em: 14 mar. 2020.

PASCHOAL, J. D. et al. A educação infantil em foco: desafios e perspectivas para a educação dos bebês. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. 4, p. 2174-2190, 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8530/6052. Acesso em: 14 mar. 2020.

PASCHOAL, J. D.; BRANDÃO, C. F. A contribuição da legislação para a organização do trabalho pedagógico na educação infantil brasileira. Revista HISTEDBR On-Line, v. 15, n. 66, p. 196-210, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643710. Acesso em: 14 mar. 2020.

PAULINO, V. B. R.; CÔCO, V. Políticas públicas educacionais: vozes que emergem no trabalho docente na Educação Infantil. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 24, n. 92, p. 697-718, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/wzfqYF8Y9VN7NWXFkZRFLBj/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

SAITO, H. T. I.; OLIVEIRA, M. R. F. Trabalho docente na educação infantil: olhares reflexivos para a ação intencional e planejada do ensino. Imagens da Educação, v. 8, n. 1, e39210, 2018.

SAITO, H. T. I.; TACAHASHI, A. S. M. A imaginação e a educação infantil: uma relação necessária e possível. In: OLIVEIRA, M. R. F. (Coord.). Indústria cultural, educação e trabalho docente: da semiformação à emancipação humana. Londrina: UEL, 2019. p. 301-315.

SARMENTO, D. F.; FOSSATTI, P. Formação de professores, saberes docentes e práticas educativas: a qualidade da educação infantil como centralidade. Revista Portuguesa de Educação, v. 25, n. 2, p. 117-140, 2012. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0871-91872012000200006&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/45rkkPghMMjMv3DBX3mTBHm/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

SCHEIBE, L. Diretrizes curriculares para o curso de pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, p. 43-62, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/cCY6yjvfhYPKWNbFMMmL3Pm/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2020.

SILVA, A. T. T.; BITTENCOURT, C. A. C.; OLIVEIRA, M. R. F. A experiência da infância entre os dilemas da educação moderna e o empobrecimento do trabalho docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, esp. 4, p. 2032-2045, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12926/8695. Acesso em: 14 mar. 2020.

SILVA, A. T. T.; PASCHOAL, J. D.; OLIVEIRA, M. R. F. A percepção dos acadêmicos do Curso de Pedagogia sobre a formação do professor de Educação Infantil. In: JORNADA DE DIDÁTICA, 2.; SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CEMAD: DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: CAMINHOS PARA UMA PRÁXIS TRANSFORMADORAS, 1., 2013, Londrina. Anais [...] Londrina, PR: UEL, 2013. p. 72-82. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/jornadadidatica/pages/arquivos/II%20Jornada%20de%20Didatica%20e%20I%20Seminario%20de%20Pesquisa%20do%20CEMAD%20-%20Docencia%20na%20educacao%20Superior%20caminhos%20para%20uma%20praxis%20transformadora/A%20PERCEPCAO%20DOS%20ACADEMICOS%20DO%20CURSO%20DE%20PEDAGOGIA.pdf. Acesso em: 14 mar. 2020.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual de Londrina. Londrina, PR: UEL, 2010.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR: UEM, 2005.

YAEGASHI, S. F. R.; BIANCHINI, L. G. B.; PIRES, J. G. C. Representações sociais de acadêmicos de pedagogia sobre o estágio supervisionado em educação infantil. Conhecimento & Diversidade, v. 10, n. 20, p. 26-37, 2018. Disponível em: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/conhecimento_diversidade/article/view/3549. Acesso em: 14 mar. 2020.

Downloads

Publicado

01/07/2021

Como Citar

SAITO, H. T. I.; OLIVEIRA, M. R. F. de; YAEGASHI, S. F. R. Âncora nebulosa da formação inicial de professores para a infância: como enfrentaremos?. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 3, p. 2047–2066, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i3.13467. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13467. Acesso em: 25 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)