Metodologias de aprendizagens no ensino a distância

Diversidade e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i4.16838

Palavras-chave:

Tecnologias, Desafios, Oportunidades

Resumo

Com o avanço tecnológico, as ferramentas digitais se tornaram presentes em todos os segmentos de trabalho, e com a educação aconteceu o mesmo. Novas tecnologias associadas a projetos de Educação a Distância (EAD) aumentam a capacidade de acesso a um programa de formação profissional. Com isso, novas metodologias de ensino são utilizadas pelos professores com o objetivo de levar um conhecimento de melhor qualidade a seus alunos. Com a democratização do ensino e o crescimento das novas tecnologias, as metodologias e processos EAD se tornam mais aplicáveis e flexíveis a quem queira estudar. O objetivo do estudo é o de conhecer como as metodologias de aprendizagem contribuem para esta evolução. A metodologia fundamenta-se na pesquisa exploratória, na qual se realizou o levantamento de trabalhos de tese, dissertação e artigos científicos que trazem para discussão as causas de desistências e evasão na EAD, entre os anos de 2002 e 2022.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Vieira da Rocha, Universidade Estácio de Sá (UNESA), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Doutorando em Educação.

Sonia Regina Mendes dos Santos , Universidade Estácio de Sá (UNESA), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Professora do Programa de Pós-graduação em Educação - Mestrado e Doutorado em Educação. Doutorado em Educação (UFRJ).

Referências

AIRES, J. A.; PILATTI, L. A. Aprendizagem significativa por meio do ensino adaptativo. Revista Espacios, Caracas, v. 37, n. 29, p. 18, maio/abr. 2016. Disponível em: https://www.revistaespacios.com/a16v37n29/16372918.html. Acesso em: 08 jan. 2022.

ARAUJO, I. S.; MAZUR, E. Instrução pelos colegas e ensino sob medida: Uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Cad. Bras. Ens. Fís., Florianópolis, v. 30, n. 2, p. 362-384, ago. 2013. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/85464. Acesso em: 21 maio 2022.

ARETIO, L. G. La Educación a Distancia: De la teoría a la prática. Barcelona: 2001.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326/0. Acesso em: 18 jul. 2021

BOLLELA, V. R. et al. Aprendizagem baseada em equipes: Da teoria à prática. Medicina, Ribeirao Preto, v. 47, n. 3, p. 293-300, nov. 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86618. Acesso em: 26 maio 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRASIL. Decreto n. 2.494, de 10 de fevereiro de 1998. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1998a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2494.htm. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRASIL. Decreto n. 2.561, de 27 de abril de 1998. Altera a redação dos arts. 11 e 12 do Decreto nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, que regulamenta o disposto no art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Presidência da República, 1998b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1998/decreto-2561-27-abril-1998-400794-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRASIL. Portaria n. 301, de 07 de abril de 1998. normatizar os procedimentos de credenciamento de instituições para a oferta de cursos de graduação e educação profissional tecnológica a distância. Brasília, DF: Ministro da Educação e do Desporto, 1998c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/nova/acs_portaria301.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRASIL. Resolução n. 1, de 3 abril de 2001. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pósgraduação. Brasília, DF: Presidencia da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/resolucao12001.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

GAROFALO, D. Como as metodologias ativas favorecem ao aprendizado. Nova Escola, 2018. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/11897/como-as-metodologias-ativas-favorecem-o-aprendizado. Acesso em: 19 dez. 2019.

HMELO-SILVER, C. E. Aprendizagem baseada em problemas: O que e como os alunos aprendem? Review, v. 16, n. 3, p. 235-266, 2004 Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1023/B:EDPR.0000034022.16470.f3. Acesso em: 02 mar. 2022.

KHOGALI, S. E. Team-based learning: a pratical guide: Guide supplement 65.1 – Viewpoint. Medical Teacher, v. 32, n. 2, p. 163-165, 2013.

LEE, J.; HAMMER, J. Gamificação na educação: O quê, como, porque se importar? Academic Exchange Quarterly, Estados Unidos, v. 15, n. 2, p. 146, 2011. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3714308. Acesso em: 13 maio 2022.

MILL D. Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas, SP: Editora Papirus, 2018.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: Uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (org.). Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: Aproximações jovens. PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015.

MULLER, M, G. Metodologias interativas de ensino na formação de professores de Física: Um estudo de caso com o Peer Instruction. 2013. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/72092. Acesso em: 10 maio 2022.

PEREIRA, T. A. Metodologias ativas de aprendizagem do século XXI: Integração das tecnologias educacionais. In: CIAED, 23., 2017, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu, PR: ABED, 2017.

PETERS, O. Retrospectiva histórica da educação a distância. São Paulo, 1973.

SCHMITZ, E. X. S. Sala de aula invertida: Uma abordagem para combinar metodologias ativas e engajar alunos no processo de Ensino-Aprendizagem. 2016. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Educacionais em Rede) – Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Santa Maria, Rio Grande do Sul, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/12043. Acesso em: 24 jan. 2022.

SCHNEIDER, E. et al. Sala de aula invertida em EAD: Uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes, Curitiba, v. 8, n. 16, p. 68-81, jul./dez. 2013. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/499. Acesso em: 19 jul. 2021.

ZOUHRLAL, A. et al. Conhecimentos e aprendizagens significativos: algumas pistas de pesquisa para os jogos educativos. In: ZOUHRLAL, A. et al. Gamificação: Como estratégia educativa. Brasília, DF: Link Comunicação e Design, 2015.

Publicado

30/12/2022

Como Citar

ROCHA, J. V. da; SANTOS , S. R. M. dos. Metodologias de aprendizagens no ensino a distância: Diversidade e desafios. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 4, p. 2582–2595, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i4.16838. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16838. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.