Ressonâncias das tecnologias digitais na educação

Elaine Conte, Adilson Cristiano Habowski, Míriam Benites Rios

Resumo


O ensaio discute sobre as possibilidades e os entraves das tecnologias digitais para as aprendizagens sociais, que se convertem em paradoxos por meio da aventura por novidades, dispersões, contradições e exclusões. As tecnologias têm dimensões políticas do mundo mercantil, em padrões de produtividade e competitividade, e, portanto, são ambíguas em relação aos processos formativos, causando apatia e insensibilidade ao invés de mobilização ao (re)conhecer. O trabalho desenvolve um estudo hermenêutico das relações existentes nesses processos de mudanças digitais, convidando para indagações e trazendo ressonâncias na cultura educativa. Se, por um lado, as tecnologias saíram do monopólio de especialistas e passaram a integrar de modo flexível e aberto o mundo social contemporâneo, através da noção de instrumentos capazes de pôr em movimento operações complexas e múltiplas conversações, por outro, experimentamos continuamente ambivalências em seu uso e dificuldades na renovação dos sentidos que envolvem essas linguagens, gerando o obscurecimento das tecnologias e dos interesses socioculturais. Concluiu-se que há uma necessidade de reconstruir, em uma perspectiva hermenêutica, os potenciais colaborativos das diferentes interfaces das tecnologias digitais na educação para prevenir práticas de exclusão, desumanização ou alienação tecnocientífica, que atinge a maioria dos marginalizados social e economicamente.

Palavras-chave


Aprendizagem social; Inclusão tecnológica; Tecnologias digitais.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. A reprodução. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DIAS, P. Aprendizagem colaborativa e comunidades de inovação. In: ALMEIDA, M. E. B.; DIAS, P.; SILVA, B. D. (Orgs.). Cenários de inovação para a educação na sociedade digital. São Paulo: Edições Loyola, 2013. p. 47-74.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. 16. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Trad. Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

HERMANN, N. Hermenêutica e educação. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2003.

JOHNSON, S. Cultura da interface. Como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

LEITE, L.S.; SAMPAIO, M.N. Alfabetização tecnológica do professor. Petrópolis: Vozes, 1999.

LEMOS, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

MARCUSE, H. Contra-revolução e revolta. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MARCUSE, H. Um ensaio sobre a libertação. Lisboa: Bertrand, 1977.

MORAN, J. M.; MASETTO, M.; BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

NÓVOA, A. Relação escola-sociedade: novas respostas para um velho problema. In: SERBINO, R. et al. (org.). Formação de professores. São Paulo: UNESP, 1996. p. 19-39.

PARENTE, A. (org.). Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. São Paulo: Ed. 34, 1993.

PAULON, S. M.; FREITAS, L. B. L; PINHO, G. S. Documento subsidiário à política de inclusão. Brasília: Mistério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

PRETTO, N. de L.; BONILLA, M. H. (orgs.). Movimentos colaborativos, tecnologias digitais e educação. Em Aberto, Brasília, v. 28, n. 94, p. 1-24, 2015.

SANTAELLA, L. Flusser ressignificado pela cultura digital. In: HANKE, M.; RICARTE, É. (orgs.). Do conceito à imagem: a cultura da mídia pós-Vilém Flusser. Natal, RN: EDUFRN, 2015. p. 12-24.

SANTOS, E. O.; SILVA, M. Formação corporativa on-line: multirreferencialidade e interatividade como processos a serem desenvolvidos. In: RICARDO, E. J. (org.). Educação corporativa e educação a distância. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005. p. 67-81.

SIBILIA, P. A escola no mundo hiperconectado: Redes em vez de muros? Matrizes, ano 5, n. 2, p. 195-211, 2012.

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, 2002.

VEIGA, I. P. A. A aventura de formar professores. São Paulo: Papirus, 2009.

WARSCHAUER, M. Tecnologia e inclusão social: A exclusão digital em debate. São Paulo: Editora Senac, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14i1.11110



Direitos autorais 2019 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.