A perspectiva dos professores de química e matemática de uma universidade federal quanto à inclusão educacional dos alunos com deficiência no ensino superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23iesp.1.13007

Palavras-chave:

Educação inclusiva, Formação de professores, Inclusão.

Resumo

Por muito tempo, pessoas com deficiência sofreram exclusão na sociedade, em diversas áreas. A partir do século XX, observa-se uma mudança com a criação de políticas educativas no intuito de promover a inclusão escolar. No entanto, ainda nota-se práticas excludentes por parte dos professores no Ensino Superior. Assim, este trabalho objetivou analisar a perspectiva dos professores dos cursos de Licenciatura em Química e Matemática de uma Universidade Federal situada no Sul de Minas Gerais sobre a temática inclusiva. O tipo da pesquisa realizada é o estudo de caso. Efetuou-se uma entrevista semi-estruturada e realizou-se uma Análise de Conteúdo. Constatou-se que há uma defasagem na formação inicial desses professores sobre a perspectiva inclusiva e que existe a necessidade de uma formação continuada sobre o tema devido ao desconhecimento sobre o mesmo, para que assim, seja possível alcançar o ensino-aprendizagem dos graduandos com deficiência.

Biografia do Autor

Marcela Openheimer, Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), Itajubá – MG

Graduanda em Licenciatura em Química. Instituto de Física e Química.

Paloma Alinne Alves Rodrigues, Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), Itajubá – MG

Professora Adjunta. Instituto de Física e Química.

Referências

AGUIAR, João Serapião de. Educação Inclusiva: jogos para o ensino de conceitos. 4 ed. Papirus, 2004. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=Rr-luspnakwC&oi=fnd&pg=PA15&dq=conceito+educa%C3%A7%C3%A3o+inclusiva&ots=64efoZFgPW&sig=yXDBK1mbZrZMZCttIwJRzx-UMp4#v=onepage&q=conceito%20educa%C3%A7%C3%A3o%20inclusiva&f=false>. Acesso em: 19 nov. 2018.

BARDIN. Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BELEI, Renata Aparecida; PASCHOAL, Sandra Regina Gimeniz; NASCIMENTO, Edinalva Neves; MATSUMOTO, Patrícia Helena Vivan Ribeiro. O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de educação. Pelotas, n. 30, jun. 2008. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/1770/1645>. Acesso em: 10 maio. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Da Ordem Social; Da educação, da Cultura e do Desporto; Da educação. Brasília, DF, 1988. Disponível em: <http://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_04.10.2017/art_208_.asp>. Acesso em: 01 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1961. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm>. Acesso em: 25 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Brasília, DF, 2013. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/superiorcensosuperior-sinopse>. Acesso em: 30 abr. 2018.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Uma metodologia de pesquisa para estudar os processos de ensino e aprendizagem em salas de aula. A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias. Editora Unijuí, 2006.

CARVALHO, Rosita Edler. Educação inclusiva. Ministério da educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Universidade Aberta do Brasil. Cuiabá, 2011. Disponível em: <https://apeoespsbc.com.br/storage/app/media/cursos/educacao-inclusiva-rosita-carvalho.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2018.

CASTRO, Sabrina Fernandes; ALMEIDA, Maria Amelia. Ingresso e permanência de alunos com deficiência em universidades públicas brasileiras. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, vol. 20, n. 2, jun. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382014000200003&lang=pt>. Acesso em: 25 abr. 2018.

DECHICHI, Claúdia; SILVA, Lázara Cristina da; GOMIDE, Andréa Barbosa. Projeto incluir: acesso e permanência na UFU. Inclusão Escolar e Educação Especial: teoria e prática na diversidade. Uberlândia: EDUFU, 2008.

DUARTE, Emerson Rodrigues; RAFAEL, Carla Beatriz da Silva; FILGUEIRAS, Juliana Fernandes; NEVES, Clara Mockdece; FERREIRA, Maria Elisa Caputo. Estudo de caso sobre a inclusão de alunos com deficiência no Ensino Superior. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, vol. 19, n. 2, jun. 2013. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Clara_Neves/publication/262747491_Case_study_of_inclusion_of_students_with_disabilities_in_Higher_Education/links/53d655070cf228d363ea4e80.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2018.

DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em revista. Curitiba, vol. 20, n. 24, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/n24/n24a11.pdf/>. Acesso em: 10 maio. 2018.

GODOY, Arlida Schmidt. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas. São Paulo, vol. 35, n. 2, abril. 1995. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n2/a08v35n2.pdf>. Acesso em: 10 maio. 2018.

JUNIOR, Guanis de Barros Vilela; CARVALHO, Anderson dos Santos. Análise de Conteúdo. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. Disponível em: <http://www.cpaqv.org/epistemologia/analiseconteudo.pdf>. Acesso em: 10 maio. 2018.

MENDES, Enicéia Gonçalves; ALMEIDA, Maria Amélia. Educação Especial Inclusiva: Legados Históricos e Perspectivas Futuras. São Carlos: Editora Marquezine e Manzini, 2015.

PLETSCH, Márcia Denise. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Educar em revista. Curitiba, n.33, 2009. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/5233/10099>. Acesso em: 10 dez. 2018.

RIBEIRO, Eveline Borges Vilela; BENITE, Anna Maria Canavaro. A educação Inclusiva na percepção dos professores de química. Ciência e Educação. vol. 16, n. 3, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v16n3/v16n3a06>. Acesso em: 30 abr. 2018.

ROCHA, Telma Brito; MIRANDA, Theresinha Guimarães. Acesso e permanência do aluno com deficiência na instituição de ensino superior. Revista Educação Especial. Santa Maria, vol. 22, n. 34, ago. 2009. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/3131/313128604006/>. Acesso em: 30 abr. 2018.

ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; SANTOS, Rudimar Riesgo dos. Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2016. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=CdiGCgAAQBAJ&oi=fnd&pg=PR1&dq=transtorno+de+aprendizagem&ots=y27vfPB1xx&sig=yB1fAb4RupPDaeeKr4HdWju_H4U#v=onepage&q=transtorno%20de%20aprendizagem&f=false>. Acesso em: 10 jan. 2019.

SANCHES, Isabel; TEODORO, Antônio. Da integração à inclusão escolar: cruzando perspectivas e conceitos. Revista Lusófona de educação. n. 8, 2006. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/349/34918628005/>. Acesso em: 05 abr. 2018.

SILVA, Paulo Adilson da; SANTOS, Flávia Heloísa dos. Discalculia do desenvolvimento: avaliação da representação numérica pela ZAREKI-R. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, vol. 27, n. 2, jun. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v27n2/a03v27n2>. Acesso em: 10 jan. 2019.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Editora Vozes Limitada, 2014. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=a9gbBAAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT2&dq=tardif&ots=GFUBGk6kTr&sig=7GU3-G_X8iRREYEiPNKrzglGrFI#v=onepage&q=tardif&f=false>. Acesso em: 30 abr. 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista brasileira de Educação, vol. 13, n. 5, 2000. Disponível em: <http://teleduc.unisa.br/~teleduc/cursos/diretorio/apoio_5427_368/TARDIF_Saberes_profissionais_dos_professores.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2018.

Publicado

01/10/2019

Como Citar

Openheimer, M., & Rodrigues, P. A. A. (2019). A perspectiva dos professores de química e matemática de uma universidade federal quanto à inclusão educacional dos alunos com deficiência no ensino superior. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 23(esp.1), 856–876. https://doi.org/10.22633/rpge.v23iesp.1.13007