Imagens e palavras para pensar a escola: apontamentos sobre a reforma do ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.10621

Palavras-chave:

Ensino da arte, Reforma do ensino médio, Currículo.

Resumo

Este artigo debruça-se sobre o ensino da Arte no Ensino Médio tendo como análise central a Medida Provisória nº 746/2016 transformada na Lei nº 13.415/2017 que alterou a LDB nº 9.394/1996. A alteração trouxe retrocessos históricos em relação a presença da arte no currículo escolar e lançou questões fundamentais e urgentes para o debate, tais como a flexibilização da educação atrelada ao mercado de trabalho e o enfraquecimento do Estado de bem-estar social. À contramão das conquistas históricas dos arte-educadores brasileiros em relação à presença da Arte na escola, a Reforma do Ensino Médio destituiu vozes, direitos, e ao desvalorizar o ensino da Arte abriu brechas para precarizar tanto o trabalho dos professores quanto as possibilidades de conhecimento que a arte promove na educação. 

Biografia do Autor

Francione Oliveira Carvalho, Faculdade de Educação da UFJF

Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Pós-Doutorado no departamento de História da Universidade de São Paulo onde realizou a pesquisa Território do Significado: Imigração sul-americana e as negociações culturais na escola de São Paulo sob a supervisão da Profª Drª Zilda Márcia Grícoli Iokoi. Doutor e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Possui graduação em Artes Cênicas bacharelado pela Faculdade de Artes do Paraná (1999) com complementação em Dança pelo Curso Permanente de Dança Moderna da UFPR e Licenciatura em Artes pela Belas Artes de SP. É Especialista em Teatro pela Faculdade de Artes do Paraná . Membro da ANPED e ANPUH/SP (Associação Nacional de História), pesquisador do Grupo de Pesquisa em Mediação Cultural: contaminações e provocações estéticas , Arte na Pedagogia, ambos coordenados pela Dra. Mirian Celeste Martins da Universidade Presbiteriana Mackenzie/Unesp. Autor da coleção de Arte do Sistema Uno Internacional e da Editora do Brasil. Pesquisador no DIVERSITAS – Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos da Universidade de São Paulo onde atua como professor colaborador do Programa de Pós-Graduação Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades atuando na linha de Pesquisa Poderes e Intervenções, atuando também no Projeto Deslocamentos e Fronteiras: migrações, racismo e questões de gênero financiado pela FAPESP. É líder do MIRADA - Grupo de Estudo e Pesquisa em Visualidades, Interculturalidade e Formação Docente locado na Faculdade de Educação da UFJF.


 

Referências

ARNHEIN, Rudolf. Arte & Percepção Visual: Uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar, segunda versão, revista. Abril, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf. Acesso 11 out. 2017

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13278.htm. Acesso 11 out. 2017.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm. Acesso 11 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=251273&norma=270661. Acesso 11 out. 2017.

EISNER, Elliot. O que pode a educação aprender das artes sobre prática da educação? In: Currículo sem Fronteiras, v. 8, n. 2, pp. 5-17, Jul/Dez 2008. ISSN 1645-1384.

FUSARI, Maria F. de Rezende e. FERRAZ, Maria Heloísa C. de T. Arte na Educação Escolar. São Paulo: Cortez, 2001.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In: Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, jan. /fev. /mar. /abr. n. 19, p. 20-28, 2002. ISSN 1413-2478

MALLARMÉ, Stéphane. Lance de Dados. Tradução: Álvaro Faleiros. São Paulo: Ateliê Editorial, 2014.

MASSCHLEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

MORIN Edgar. Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

STANDING, Guy. O precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

Carvalho, F. O. (2019). Imagens e palavras para pensar a escola: apontamentos sobre a reforma do ensino médio. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(3), 973–985. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.10621

Edição

Seção

Artigos