O que representa a atenção para a epistemologia da aprendizagem na contemporaneidade? – a percepção docente

Arnaldo Nogaro, Hildegard Susana Jung, Estela Mari Santos Simões

Resumo


O artigo resulta de pesquisa[1]de campo com o objetivo de identificar e interpretar fatores interferentes nos processos atencionais em estudantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental e seu impacto na aprendizagem escolar no contexto contemporâneo, na percepção de seus professores. O estudo tem abordagem qualitativa, com coleta empírica e bibliográfica de dados, e o tratamento dos achados seguiu as orientações da Análise de Conteúdo. A atenção é fator fundamental para a aprendizagem, no entanto, o que se constata são comportamentos que levam ao questionamento sobre como as crianças do início da escolaridade agem em relação a ela em sala de aula. Os achados apontam para: a) com relação às causas da desatenção figuram problemas familiares, uso das tecnologias e a metodologia utilizada pelo professor; b) a atenção é considerada um pré-requisito no processo de aprender; c) os professores têm necessidade de chamar a atenção dos estudantes com grande frequência; d) o estudante atento é caracterizado participante e o desatento é mais apático; e) a representação dos professores sinaliza relação entre as tecnologias e a desatenção. Conclui-se que o professor precisa manter o olhar sensível e vigilante em sua prática e a forma como organiza e conduz a aula para reconstruir o planejamento e repensar suas estratégias sempre que necessário, no sentido de atender às características dos aprendizes que atende, em um movimento que colabore a uma melhor compreensão da epistemologia da aprendizagem.

[1] O projeto da pesquisa tramitou e foi aprovado em Comitê de ética sob o nº CAAE-51529115.4.0000.5351.

 


Palavras-chave


Atenção; Motivação; Ensino fundamental; Percepção docente.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2008.

BRANDÃO, Marcus Lira. As bases biológicas do comportamento: introdução à neurociência. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 2004.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede I: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

COSENZA, Ramon. A neurociência da atenção. Revista Neuroeducação, São Paulo, quinta edição, p. 25-31, 2015.

De-NARDIN, Maria Helena; SORDI, Regina. O. Aprendizagem da atenção: uma abertura à invenção. Revista Iberoamericana de Educación, nº 47/4, p. 53-61, 2008.

DUTRA, Luiz Henrique de A. Epistemologia da Aprendizagem. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2000,

FERNANDEZ, Alícia. A atenção aprisionada. Porto Alegre: Artmed, 2012.

FFIELD, M. Aprendizagem ativa na educação infantil. In: VICKERY, A. Aprendizagem ativa nos anos iniciais do ensino fundamental. Porto Alegre: Penso, 2016.

GAZZANIGA, Michel [et. al.] Neurociência cognitiva: a biologia da mente. Porto Alegre: Artmed, 2006.

GOLLEMAN, Daniel. Foco: a atenção e seu papel fundamental para o sucesso. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

GÓMEZ, Ángel I. P. Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

IZQUIERDO, Ivan. Questões sobre memória. São Leopoldo: Unisinos, 2004.

IZQUIERDO, Ivan. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KASTRUP, Virgínia. A aprendizagem da atenção na cognição inventiva. Psicologia & Sociedade, 16 (3), p. 7-16, set/dez., 2004.

PINTO, Amâncio da Costa. Memória, cognição e educação: implicações mútuas. In: DETRY, Brigitte; SIMAS, F. (Orgs.). Educação, cognição e desenvolvimento: textos de psicologia educacional para a formação de professores. Lisboa: Edinova, 2001.

POZO, Juan Ignácio. Aprendizes e mestres. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RODRIGUES, Maria Socorro Pereira; SOBRINHO, Elísio Holanda Guedes; SILVA, Raimunda Magalhães. A família e sua importância na formação do cidadão. Família, Saúde e Desenvolvimento, v. 2, n. 2, 2000, p. 40-48.

TACCA, Maria. Aprendizagem e trabalho pedagógico. Campinas/SP: Alínea, 2008.

VICKERY, A. Aprendizagem ativa nos anos iniciais do ensino fundamental. Porto Alegre: Penso, 2016.

WOOD, David. Como as crianças pensam e aprendem. São Paulo: Loyola, 2003.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.10928



Direitos autorais 2019 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.