Educação em tempo integral: alguns desafios para a gestão escolar

Elisangela da Silva Bernado

Resumo


O presente tema de pesquisa se justifica em função do cenário atual da gestão escolar, o qual exige qualificação para o exercício de diferentes funções nas unidades escolares de tempo integral. Com a finalidade de investigar os possíveis impactos do Programa Mais Educação nos resultados educacionais, o objetivo deste artigo foi analisar percepções e desafios de gestores escolares de estabelecimentos de ensino de tempo integral em seis escolas públicas cariocas. O exercício da gestão não é mais uma função meramente burocrática, mas é uma ação que exige articulação entre os saberes, os tempos e os espaços formais e não formais de ensino, da comunidade e da gestão. Este movimento gera a necessidade de uma gestão diferenciada, que atenda às atuais perspectivas que marcam uma outra lógica de gestão escolar, especialmente no que se refere ao planejamento, à coordenação e à avaliação de sistemas de ensino.

O presente tema de pesquisa se justifica em função do cenário atual da gestão escolar, o qual exige qualificação para o exercício de diferentes funções nas unidades escolares de tempo integral. Com a finalidade de investigar os possíveis impactos do Programa Mais Educação nos resultados educacionais, o objetivo deste artigo foi analisar percepções e desafios de gestores escolares de estabelecimentos de ensino de tempo integral em seis escolas públicas cariocas. [ACCeM1] O exercício da gestão não é mais uma função meramente burocrática, mas é uma ação que exige articulação entre os saberes, os tempos e os espaços formais e não formais de ensino, da comunidade e da gestão. Este movimento gera a necessidade de uma gestão diferenciada, que atenda às atuais perspectivas que marcam uma outra lógica de gestão escolar, especialmente no que se refere ao planejamento, à coordenação e à avaliação de sistemas de ensino.

 [ACCeM1]Com qual finalidade o objetivo foi criado, descrever a finalidade.


Palavras-chave


Gestão escolar; Educação em tempo integral; Programa mais educação.

Texto completo:

PDF PDF (Español (España)) XML

Referências


AGUERRE, Tabaré Fernández. De las “escuelas eficaces” a las reformas de segunda generación. Estudos Sociológicos. V. XXII, n. 2, p. 377-408, 2004.

BARROSO, João. O estudo da autonomia da escola: da autonomia decretada à autonomia construída. BARROSO, João. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996.

BERNADO, Elisangela da Silva. Composição social e cognitiva de turmas e desempenho em Leitura e Matemática: como evoluem as desigualdades educacionais? Rio de Janeiro, 2008. 171p. Tese de Doutorado - Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

BERNADO, Elisangela da Silva. Formação Docente: que tipo de profissional formar? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 41 n. 3, p. 90-109, set./dez. 2015.

BERNADO, Elisangela da Silva. Desigualdade Educacional: gestão escolar, organização de turmas e desempenho em Leitura e Matemática. Curitiba: Appris/FAPERJ, 173 p, 2016.

BOURDIEU, Pierre.; PASSERON, Jean-Claude. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOTLER, Alice Miriam Happ; MARQUES, Luciana Rosa. Escola de Gestores: contribuições para a implementação da gestão democrática. www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2009/16.pdf. 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial n° 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades sócio-educativas no contraturno escolar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 abr. 2007.

BRASIL. Decreto nº. 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 jan. 2010.

BROOKE, Nigel. O futuro das políticas de responsabilização no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 128, p. 377-401, maio/ago. 2006. Disponível em Acesso em 01/04/2016.

BROOKE, Nigel. Responsabilização Educacional no Brasil. Revista Iberoamericana de Evoluación Educativa, v. 1, p. 93-109, 2008. Disponível em Acesso em 10/04/2016.

CANÁRIO, Rui. Os estudos sobre a escola: problemas e perspectivas. BARROSO (org.) O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996.

CAVALIERE, Ana Maria V. Tempo de Escola e Qualidade na Educação Pública. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1015-1035, out., 2007.

CAVALIERE, Ana Maria V. Escolas em tempo integral versus alunos em tempo integral. Em Aberto. Brasília, v.22, n.80, p. 51-63, abr. 2009.

COELHO, Lígia Martha C. da Costa. História(s) da educação integral. Em Aberto. Brasília, v. 22, n. 80, p. 83-96, abr. 2009.

COLEMAN, James Samuel et al. Equality of Educational Opportunity. Washington DC: US Government Printing Office, 1966.

CRAHAY, Marcel. Poderá a escola ser justa e eficaz? Da igualdade das oportunidades à igualdade dos conhecimentos. Traduction de L’école peut-elle être juste et efficace? por Vasco Farinha. Lisbonne: Horizontes Pedagógicos, 2004.

CRAHAY, Marcel. Qual pedagogia para os alunos em dificuldade escolar? Cadernos de Pesquisa. V. 37, n. 130, p. 181-208, jan./abr, 2007.

CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DUPRIEZ, Vincent; DRAELANTS, Hugues. Classes homogènes versus classes hétérogènes: les apports de la recherche à l’analyse de la problématique. Cachier de Recherche du GIRSEF. n. 24, p. 1-24, out, 2004.

FRANCO, Creso; BONAMINO, Alicia. A Pesquisa sobre Característica de Escolas Eficazes no Brasil Breve Revisão dos Principais Achados e Alguns Problemas em Aberto. Educação on-line PUC-Rio. n. 1, p. 1-13, 2005.

FRANCO, A. M. P; MENEZES FILHO, N. Uma Análise de Rankings de Escolas Brasileiras com Dados do SAEB. Est. Econ., São Paulo, vol. 42, n.2, p. 263-283, abr.-jun. 2012. Disponível em Acesso em 10/10/2016.

GONZÁLEZ, M. T. G. Agrupamiento de alumnos e itinerarios escolares: cuando las aparencias engañan. Educar 29. p. 167-182, 2002.

LÜCK, Heloísa. Gestão escolar e formação de gestores. Em Aberto, Brasília, v. 17, n. 72, p. 11-33, fev./jun. 2000.

LÜCK, Heloísa. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, 2009.

MAURÍCIO, Lucia Velloso (org). Tempos e espaços escolares: experiências, políticas e debates no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Ponteio; FAPERJ, 2014.

MOURA, Rui Manuel. A Organização Escolar: Desigualdades e Inovação. s/d. Revista Inovação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. Disponível em: . Acesso em: 10/01/2019.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. NÓVOA (org.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

PARO, Vitor. Henrique.; FERRETTI, Celso João; VIANNA, Cláudia Pereira; SOUZA, Denise Trento Rebello de. Escola pública de tempo integral: universalização do ensino e problemas sociais. Cadernos de Pesquisa. São Paulo (65), 1988.

SILVA, F. R., BERNADO, E. S. O ensino municipal de Barra Mansa/RJ (Brasil): em busca de uma escola eficaz. In: III JORNADAS NACIONALES Y II JORNADAS LATINOAMERICANAS DE INVESTIGADORES EM FORMACIÓN EM EDUCACIÓN, Buenos Aires, 2014. Anais... Buenos Aires: Instituto de Investigaciones em Ciencias de la Educación da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires, 2012, v.1, p. 1-10.

SLAVIN, Robert E. Salas de aula eficazes, escolas eficazes: uma base de pesquisa para reforma da Educação na América Latina. PREAL. 1996. Disponível em: Acesso em: 10/04/2016.

SOUSA, G. J. A.; ESPIRITO SANTO, N. C.; BERNADO, E. S. A. A sexta meta do PNE 2014-2024: um diálogo possível em busca de uma Educação Integral e(m) tempo integral. EccoS, São Paulo, n. 37, p. 143-160. maio/ago. 2015.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i1.12116



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.