Perfil dos professores de artes plásticas ingressantes na rede municipal do Rio de Janeiro e seu olhar sobre sua inserção profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16i3.14071

Palavras-chave:

Formação de professores, Ensino de arte, Inserção profissional

Resumo

Este artigo apresenta parte de uma pesquisa de mestrado que investigou o processo de inserção profissional de professores de Artes Plásticas (nomenclatura oficial) na rede pública municipal do Rio de Janeiro, a partir de 2016. O diálogo teórico é feito principalmente com Hurberman (2000) e Marcelo Garcia (1999). Os instrumentos utilizados foram questionário e entrevistas semi-estruturadas. Os sujeitos da pesquisa foram 18 professores de Artes Plásticas ingressantes na rede entre os anos de 2016 e 2019. Foram tomadas para as análises as perspectivas dos próprios professores ingressantes. Os resultados indicam que os sujeitos são predominantemente mulheres jovens (20 a 40 anos), que possuem pós-graduação e que ingressaram com alguma experiência no magistério. As condições de trabalho dispararam como justificativa dos pensamentos de abandono da carreira. Foi notado que o apoio da direção e coordenação da escola ou a falta dele se mostrou fator preponderante na qualidade da inserção e desenvolvimento profissional dos docentes ingressantes. Observou-se ainda que, na busca por apoio, a maioria dos ingressantes recorre a professores conhecidos de Artes Plásticas que também sejam da rede para aliviar suas preocupações e angústias e compartilhar práticas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Spínola Afonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro – RJ

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE).

Maria das Graças Chagas de Arruda Nascimento, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro – RJ

Professora Associada da Faculdade de Educação, Departamento de Didática. Doutorado em Educação (PUC-Rio).

Referências

ANDRÉ, M. Políticas de apoio aos docentes em estados e municípios brasileiros: dilemas na formação de professores. Educ. rev., Curitiba, n. 50, p. 35-49, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602013000400004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 18 jul. 2020.

BARBOSA, A. M. (org.). Arte-educação no Brasil. São Paulo. Editora Perspectiva, 2016.

COCHRAN-SMITH, M. “Learning to Teach over Time: Two Teachers, Two Paths”. In: CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE PROFESSORADO PRINCIPIANTE E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL, 4., 2014, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: UTFPR, 2014.

ENS, R. T. et al. Evasão ou permanência na profissão: políticas educacionais e representações sociais de professores. Revista Diálogo Educacional, v. 14, n. 42, p. 501-523, jul. 2014. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/6698. Acesso em: 18 jul. 2020.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto, 2000.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Notas Estatísticas do Censo Escolar 2017. Brasília: MEC, 2017.

MARCELO GARCÍA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto Editora, 1999.

MIRA, M. M. Inserção profissional docente: sistematização de princípio e indicadores para melhoria desse processo. 2018. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2018. Disponível em: https://archivum.grupomarista.org.br/pergamumweb/vinculos//00006c/00006c89.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

NÓVOA, A. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. (Livreto). São Paulo: SIMPRO, 2007. Disponível em: http://www.sinprosp.org.br/arquivos/novoa/livreto_novoa.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

PIMENTEL, L. G. Limites em expansão: licenciatura em artes visuais. Belo Horizonte, C/Arte, 1999.

SIGNORELLI, G.; MATSUOKA, S. Inserção profissional de professores iniciantes: desafios e descobertas. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., 2015, Curitiba. Anais [...]. Curitiba, PR: PUCPR, 2015. p. 37255- 37265. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17387_8838.pdf. Acesso em: 18 jul. 2020.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, ano 21, n. 73, p. 209-244, dez. 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v21n73/4214. Acesso em: 18 jul. 2020.

TEUBER, M. Relações entre Ensino, Práticas Artísticas e Pesquisa: princípios didáticos para a formação de professores de Artes Visuais. 2016. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/51727. Acesso em: 18 jul. 2020.

VAILLANT, D.; MARCELO GARCÍA, C. Ensinando a ensinar. As quatro etapas de uma aprendizagem. Curitiba: Editora Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2012.

Downloads

Publicado

01/07/2021

Como Citar

AFONSECA, T. S.; NASCIMENTO, M. das G. C. de A. Perfil dos professores de artes plásticas ingressantes na rede municipal do Rio de Janeiro e seu olhar sobre sua inserção profissional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 3, p. 1898–1913, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16i3.14071. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14071. Acesso em: 25 out. 2021.