Análise da política de inclusão escolar em um munícipio na perspectiva de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp2.15128

Palavras-chave:

Educação especial, Inclusão escolar, Ciclo de políticas

Resumo

No Brasil, a política de escolarização dos estudantes Público-Alvo da Educação Especial (PAEE) no sistema educacional geral iniciou-se há mais de duas décadas, resultando na ampliação de matrículas, mas ainda está longe de garantir acesso ao currículo. A questão emergente é: como avaliar e monitorar a política de inclusão escolar para averiguar se os resultados apontam ou não para avanços do direito à educação provida para alunos PAEE? O presente estudo, baseado no referencial teórico metodológico da Abordagem do Ciclo de Políticas, objetivou analisar o contexto de influência e de prática e oferecer subsídios para melhor equacionar a política de inclusão escolar de um município. A metodologia, do tipo multimétodo, envolveu a participação de 46 professores de sete escolas, com técnicas de análise documental, entrevista coletiva e questionário fechado. Os resultados permitiram gerar 43 indicadores, distribuídos em 13 quesitos, e, no conjunto das sete escolas, com sete quesitos bem avaliados, quatro com índices regulares e dois considerados fracos. No conjunto evidenciou-se diferentes efeitos da política de um mesmo município nas sete escolas e permitiu-se apontar aspectos nos quais a qualidade da política pode melhorar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Santos, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos – SP

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial.

Enicéia Gonçalves Mendes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos – SP

Professora Titular do Departamento de Psicologia. Doutorado em Psicologia (USP). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1B.

Referências

ANACHE, A. A.; AGOSTINI, M. F.; BRUNO, M. G. M.; SILVA, A. M. Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais do Estado de Mato Grosso do Sul. In: MENDES, E. G.; CIA, F.; D´ AFFONSECA, S. M. (Org.). Inclusão escolar e a avaliação do público-alvo da Educação Especial. São Carlos: Marquezine & Manzini: ABPEE, 2015. v. 2, p. 279-300.

BALL, S. J. Educação Global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014. 270 p.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa: UEPG, 2016.

BOWE, R.; BALL, S. J.; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Presidência da República. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 12, 18 nov. 2011.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação -PNE e dá outras providências. Presidência da República. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1, 26 jun. 2014. PL 8035/2010

BRASIL. Ministério da Educação. O acesso de estudantes com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. Brasília, DF: MEC, 2004.

CASANOVA, D. C. G.; AZZI, R. G. Análise sobre variáveis explicativas da autoeficácia docente. Educar em Revista, Curitiba, n. 58, p. 237-252, out./dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.43236

DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 921-946, out. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300014

IBGE. Estimativa Populacional. 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-eestados/sp. Acesso em: 19 dez. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANISIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica. Brasília: INEP, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANISIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica. Brasília: INEP, 2019.

LACERDA, C. B. F.; MENDES, E. G. A avaliação da qualidade da educação especial no âmbito da Educação Básica (Processo Inep: 23112.001311/2016-08). Relatório Final. São Carlos, SP: INEP, 2016.

LARNER, W.; LAURIE, N. Travelling technocrats, embodied knowledges: globalising privatisation in telecoms and water. Geoforum, v. 41, n. 2, 218-226, mar. 2010.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, jan./abr. 2009.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre a inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 11, p. 387-405, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000300002

MENDES, E. G.; CIA, F.; TANNÚS-VALADÃO, G. Organização e Funcionamento do Atendimento Educacional Especializado. In: MENDES, E. G.; CIA, F.; TANNÚS-VALADÃO, G. (Org.) Inclusão escolar em Foco: organização e funcionamento do atendimento educacional especializado. Marília: ABPEE, 2015. p. 25-36.

SANTOS, V. Análise de indicadores educacionais censitários da política de inclusão escolar: uma proposta metodológica. 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) –Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017.

TSCHANNEN-MORAN, M.; WOOLFOLK-HOY, A. Teacher Efficacy: capturing an elusive construct. Teaching and Teacher Education, v. 17, p. 783-805, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. 248 p.

Publicado

01/05/2021

Como Citar

SANTOS, V.; MENDES, E. G. Análise da política de inclusão escolar em um munícipio na perspectiva de professores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp2, p. 1325–1342, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp2.15128. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15128. Acesso em: 24 jul. 2021.