Educação, currículo e teoria crítica em tempos de pandemia: o que pensam docentes e a comunidade escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v16iesp.3.15300

Palavras-chave:

Educação, Ensino remoto, Pandemia

Resumo

Este texto tem como objetivo estabelecer um diálogo crítico, diante do contexto de pandemia que também acometeu a educação, sobre a prática curricular no formato remoto de ensino. Neste contexto, o currículo também parece ter sido contaminado pelo vírus da inacessibilidade e desigualdade social, descaracterizando o estado de direito democrático. Compreendemos que gerenciar a perspectiva crítica neste formato não é fácil, mas é possível. A nossa visão se anuncia como crítica, na medida em que nos posicionamos no grupo das teorias de educação e de currículo do terreno próximas ao pensamento marxiano de explicar o mundo concreto por meio do materialismo histórico dialético. Para tanto, utilizamos como instrumento metodológico a pesquisa bibliográfica para fundamentar as nossas reflexões, e a entrevista semiestruturada com professores, estudantes e mães, no intuito de compreender a educação/ensino no contexto de pandemia, na gama do Ensino Fundamental da Educação Básica. O artigo traça um panorama sobre o contexto do ensino remoto durante a pandemia e em seguida apresenta, por meio da análise de questionários aplicados aos interlocutores de pesquisa, possíveis saídas para pensar em uma organização curricular crítica mais humana e emancipadora, com vistas ao cenário de retorno aos trabalhos educacionais no cenário pós covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Thiago Silva, Universidade de Brasília (UNB)

Professor Adjunto do Departamento de Métodos e Técnicas. PPGFE-MP. Doutorado em Educação (UNB).

Aurênio Pereira da Silva, Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF)

Professor da Educação Básica. Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação (UNB).

Referências

ALMEIDA, L. C.; BETINI, G. A. A qualidade da escola: debatendo princípios rumo à construção de uma qualidade socialmente referenciada. Revista Iberoamericana de Evaluación Educativa, v. 9, n. 2, p. 49-63, 2016. DOI: dx.doi.org/10.15366/riee2016.9.2.003

BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre, RS: Penso, 2015.

BEZERRA, M. A. Da redação ao gênero textual: a didatização da escrita na sala de aula. In: MOURA, D. (Org.). Os desafios da língua: pesquisas em língua falada e escrita. Maceió, AL: EDUFAL, 2008. p. 135-138

BRASIL. Decreto 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 , que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 30 maio 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9057.htm. Acesso em: 10 fev. 2021.

BRASIL. Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial de Saúde. Disponível em: https://www.paho.org/bra. Acesso em: 23 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CP n. 5/2020, aprovado em 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília, DF, 04 maio 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 maio 2021.

CETIC. Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. Pesquisa TIC Domicílios 2018. 2018. Disponível em: https://www.cetic.br/tics/domicilios/2018/domicilios/A4/. Acesso em: 30 jun. 2020.

CIEB. Centro de Inovação para a Educação Brasileira. Planejamento das Secretarias de Educação do Brasil para Ensino Remoto. 2020.

CUNHA, M. I. Ação Educativa. In: MOROSINI, M. C. (Ed.). Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Glossário. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais Anísio Teixeira, 2006. v. 2.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2018.

GÓMEZ, A. I. P. Ensino para a compreensão. In: SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 1998. p. 67-98.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2010.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educ. Pesqui., São Paulo (SP), v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. DOI: doi.org/10.1590/S1517-97022011005000001

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2013.

LIMA, E. S.; SILVA, F. T. O encontro entre o currículo e a avaliação na coordenação pedagógica da escola. Brasília, DF: Editora Kiron, 2020.

MENDES, C. B.; LHAMAS, A. P. B.; MAIA, J. S. S. Aspectos da educação ambiental crítica: reflexões sobre as desigualdades na pandemia da Covid-19. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), São Paulo (SP), v. 15, n. 4, p. 361-379, 2020. DOI: doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10854

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SANTOMÉ, J. T. Políticas educativas e curriculares na construção de um senso comum neoliberal. Corunha, Espanha: Universidade da Coruña, 2016.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1996. (Coleção educação contemporânea)

SAVIANI, D. O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Educ. Soc., Campinas (SP), v. 28, n. 100, p. 1231-1255, out. 2007. DOI: doi.org/10.1590/S0101-73302007000300027

SAVIANI, D. Escola e democracia. Campinas, SP: Autores associados, 2008.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D. As implicações da pandemia para a educação, segundo Dermeval Saviani. Vermelho, 30 jul. 2020. Disponível em: https://vermelho.org.br/2020/07/30/as-implicacoes-da-pandemia-para-aeducacao-segundo-dermeval-saviani/. Acesso em: 04 fev. 2021.

SILVA, F. T.; BORGES, L. F. F.. Currículo, Narrativa e Diversidade: prescrições ressignificadas. In: Francisco Thiago Silva; Liliane Campos Machado. (Org.). Currículo, Narrativas e Diversidade. 1 ed. Curitiba: Appris, 2019.

SILVA, F. T. S. Currículo de transição: uma saída para a educação pós-pandemia. Revista Educamazônia – Educação Sociedade e Meio Ambiente, Humaitá (AM), ano 13, v. XXV, n. 1, jan./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/educamazonia/article/view/7666. Acesso em: 22 fev. 2021.

Publicado

01/06/2021

Como Citar

SILVA, F. T. .; SILVA, A. P. da . Educação, currículo e teoria crítica em tempos de pandemia: o que pensam docentes e a comunidade escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp.3, p. 1604–1628, 2021. DOI: 10.21723/riaee.v16iesp.3.15300. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15300. Acesso em: 17 set. 2021.