O analfabetismo no Brasil: lições da história

Ana Carolina Braga, Francisco José Carvalho Mazzeu

Resumo


O artigo aborda o problema do analfabetismo no Brasil, procurando revelar suas raízes históricas e sociais. Parte-se de uma análise dos dados que afasta a leitura otimista baseada na queda gradativa dos índices. Nem a queda pode ser considerada significativa, quando se observam o número absoluto de analfabetos e as tendências da série histórica dos dados, nem se pode atribuir essa redução aos resultados de políticas públicas efetivas. Fazendo um estudo histórico, percebe-se que as relações econômicas, políticas e sociais acabam por determinar as condições em que vai ocorrer a oferta de escolarização, quem terá acesso a ela, qual será sua possibilidade de progresso, entre outros aspectos. Ao mesmo tempo, as estruturas do ensino têm estado à mercê dessa dinâmica econômico-social, deixando de buscar uma organização que ofereça oportunidades reais de desenvolvimento a todos os alunos. 


Palavras-chave


Analfabetismo. Alfabetização. Políticas públicas de alfabetização.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, A. C. O desafio da erradicação do analfabetismo no Brasil: uma análise do programa Brasil alfabetizado no município de Araraquara/SP. 2015. 114f. Dissertação (Mestrado) – Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2015.

CURADO, M. Uma avaliação da economia brasileira no governo Lula. Revista Economia & Tecnologia. Ano 07, V. Especial, 2011. Disponível em: Aceso em: 15 dez. 2014.

FERRARO, A. R. História inacabada do analfabetismo no Brasil. São Paulo. Cortez, 2009. (Biblioteca básica da história da educação brasileira).

FERREIRA JR., A. História da educação brasileira: da colônia ao século XX. São Carlos: EdUFSCar, 2010. (Coleção UAB-UFSCar).

FREIRE, A. M. A. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipinas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos. São Paulo: Cortez: Brasília, DF: INEP, 1989. (Biblioteca da educação. Série 1. Escola. Volume 4).

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores sociais municipais: uma análise dos resultados do universo do censo demográfico 2010. Disponível em: Acesso em 15 dez. 2013.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela: População residente, por sexo e situação do domicílio, população residente de 10 anos ou mais de idade, total, alfabetizada e taxa de alfabetização, segundo os Municípios. In: Censo demográfico 2000: resultados do universo. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2014.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2015 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

OLIVEIRA, D. A. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. Revista Brasileira de Política e Administração Educacional. Volume 25, n. 2, Maio/Agosto 2009. P. 197-209. Disponível em: < http://www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/download/19491/11317 > Acesso em: 15 dez. 2014.

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: a organização escolar. 18 ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2 ed. Campinas: Autores Associados, 2012. p. 67 à 101.

SAVIANI. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2 ed. rev. e. amp. Campinas: Autores Associados, 2008.

XAVIER, M. E.; RIBEIRO, M. L.; NORONHA; O. M. História da educação: a escola no Brasil. São Paulo: FTD, 1994.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9986



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.