O desenho universal na educação: novos olhares diante da inclusão do ser deficiente

Débora Cristina Ricardo, Lívia Fabiana Saço, Eliana Lúcia Ferreira

Resumo


Nas últimas décadas, emerge de forma acelerada o contexto da reorganização e ressignificação da inclusão. Existe um movimento para o alcance das metas de uma educação acessível, a fim de promover a eliminação de barreiras buscando atender às necessidades de todos os estudantes que a frequentam, o que demanda a criação de circunstâncias convenientes, com a finalidade de que os discentes sintam-se acolhidos e envolvam-se, de forma efetiva, nas atividades educacionais. Assim, a acessibilidade institui transformações importantes na concepção do papel e das funções da educação superior, buscando uma forma de desenvolver práticas pedagógicas eficientes que assegurem a aprendizagem de todos. Numa perspectiva de que adotar o novo nem sempre significa repelir o velho, identificamos um modelo de educação dentro de uma concepção curricular heterogênea, reconhecendo os sujeitos-alunos como protagonistas de seus destinos, como agentes de mudança, motivados por interesses e intencionalidades. Para tanto, é imprescindível repensar o uso da tecnologia assistiva (o velho modelo) dentro de um contexto maior, o do desenho universal (o novo modelo), promovendo uma melhor educação para os estudantes, nesse contexto, com diferentes mecanismos de ação. 


Palavras-chave


Educação. Desenho universal. Inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. G. A.; BELOSSI, T. C.; FERREIRA, E. L. Evolução da matrícula de pessoas com deficiência na educação superior brasileira: subsídios normativos e ações institucionais para acesso e permanência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. v.10, n. esp.1, p. 643-660, 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.571/2008. Dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado. 17 set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2017.

BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. 2005, p. 3. Disponível em: . Acesso em 12 dez. 2016.

BURGSTAHLER, Sheryl E. Universal design in higher education: from principles to practice. 2ª edição, Harvard, 384 p., 2015.

CAMPOS, T.; MELLO, M. A. O desenho universal e a tecnologia assistiva como potencializadores dos processos de ensino e aprendizagem: Parte II, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2017.

CAST. Design for learning guidelines. APA Citation: CAST, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017.

CAST. About universal design for learning, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2017.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA MUNICIPAL. Fundação Prefeito Faria Lima. Acessibilidade nos municípios: como aplicar o decreto 5296/04, 2008. Disponível em: . p. 56-58. Acesso em: 12 mar. 2017.

COUREY, J. S.; TAPPE, P.; SIKE, J.; LEPAGE, P. (2012). Improved lesson planning with universal design for leaning (UDL). Teacher education and special education, v. 36, n. 1, p. 7-27. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2017.

EDYBURN, D.L. Would you recognize universal design for learning if you saw it? Ten propositions for new directions for the second decade of UDL. Learning disabilities quarterly, p. 33-41, 2010.

FLETCHER, V. Design universal: design para o século 21. [s.l.]: Griffith University, 2002.

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. As novas tecnologias e a tecnologia assistiva: utilizando os recursos de acessibilidade na educação especial. In: III Congresso Ibero-Americano de Informática na Educação Especial. Anais. Fortaleza, MEC, 2012.

GLAT, R.; FERNANDES, E. M. Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da educação especial brasileira. Revista inclusão: MEC/SEESP, v. 1, n. 1, p. 35-39, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

GLAT, R.; NOGUEIRA, M. L. de L. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Revista Integração. v. 24, ano 14; Brasília: MEC/SEESP, p. 22-27, 2002.

GOVERNO DE SÃO PAULO. Desenho universal: habitação de interesse social no Estado de São Paulo. 2010, p.14-35. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2017.

HITCHCOCK, C.; et al. Providing new access to the general curriculum. Universal Design for Learning. In: Teaching exceptional children, p. 8-35, 2002.

MEYER, A.; ROSE, D. H.; GORDON, D. Universal design for learning: Theory and practice. Wakefield: CAST Professional Publishing, 2014.

INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira”). Censo da educação superior: 2011 – resumo técnico. Brasília: Inep, 2013.

MIRANDA, A.S. Recomendações de acessibilidade digital em cursos de educação a distância via web para portadores de deficiência visual. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2002.

PAVÃO, S. M. de O.; BORTOLAZZO, J. Ações de atenção à aprendizagem no ensino superior. Santa Maria: Laboratório de Pesq. e DOC. CE,1. ed. UFSM, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2017.

ROSE, D.H.; Meyer, A.; Hitchcock, C. The universally designed classroom: Accessible Curriculum and Digital Technologies. Cambridge: Harvard Education, 2002.

ROSE, D.H.; Meyer, A.; Hitchcock, C. A practical reader in universal design for learning. Cambridge, MA: Harvard Education Press, 2006.

UNIVERSAL DESIGN FOR LEARNING – UDL. Guidelines – version 2.0. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

VYGOTSKY, L.S. Thought and Language. Cambridge, MA: MIT Press.1962. Disponível em: . Acesso em 15 fev. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Coordenação de acessibilidade educacional, física e informacional. Caefi. Juiz de Fora, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10083



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.