O desenho universal na educação: novos olhares diante da inclusão do ser deficiente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10083

Palavras-chave:

Educação. Desenho universal. Inclusão.

Resumo

Nas últimas décadas, emerge de forma acelerada o contexto da reorganização e ressignificação da inclusão. Existe um movimento para o alcance das metas de uma educação acessível, a fim de promover a eliminação de barreiras buscando atender às necessidades de todos os estudantes que a frequentam, o que demanda a criação de circunstâncias convenientes, com a finalidade de que os discentes sintam-se acolhidos e envolvam-se, de forma efetiva, nas atividades educacionais. Assim, a acessibilidade institui transformações importantes na concepção do papel e das funções da educação superior, buscando uma forma de desenvolver práticas pedagógicas eficientes que assegurem a aprendizagem de todos. Numa perspectiva de que adotar o novo nem sempre significa repelir o velho, identificamos um modelo de educação dentro de uma concepção curricular heterogênea, reconhecendo os sujeitos-alunos como protagonistas de seus destinos, como agentes de mudança, motivados por interesses e intencionalidades. Para tanto, é imprescindível repensar o uso da tecnologia assistiva (o velho modelo) dentro de um contexto maior, o do desenho universal (o novo modelo), promovendo uma melhor educação para os estudantes, nesse contexto, com diferentes mecanismos de ação. 

Biografia do Autor

Débora Cristina Ricardo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Ufjf- Universidade Federal de Juiz de Fora. Programa de Pós-Graduação em Educação. Juiz de Fora-MG -Brasil. Mestranda

Lívia Fabiana Saço, Universidade Federal de Juiz de Fora

UFJF- Universidade Federal de Juiz de Fora . Faculdade de Fisioterapia. Juiz de Fora - MinasGerais - Brasil

Eliana Lúcia Ferreira, Universidade Federal de Juiz de Fora

UFJF- Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação Física e Desportos. Juiz de Fora -Minas gerais - Brasil. pesquisadora do projeto em rede" Acessibilidade no Ensino Superior" ( Obeduc/Capes).

Referências

ALMEIDA, J. G. A.; BELOSSI, T. C.; FERREIRA, E. L. Evolução da matrícula de pessoas com deficiência na educação superior brasileira: subsídios normativos e ações institucionais para acesso e permanência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. v.10, n. esp.1, p. 643-660, 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.571/2008. Dispõe sobre o Atendimento Educacional Especializado. 17 set. 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007 2010/2008/Decreto/D6571.htm>. Acesso em: 16 mar. 2017.

BERSCH, R. Introdução à tecnologia assistiva. 2005, p. 3. Disponível em: <http://www.cedion-line.com.br/artigo_ta.html>. Acesso em 12 dez. 2016.

BURGSTAHLER, Sheryl E. Universal design in higher education: from principles to practice. 2ª edição, Harvard, 384 p., 2015.

CAMPOS, T.; MELLO, M. A. O desenho universal e a tecnologia assistiva como potencializadores dos processos de ensino e aprendizagem: Parte II, 2015. Disponível em: <http://technocare.net.br/portal/wp-content/uploads/2015/05/desenho_universal.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2017.

CAST. Design for learning guidelines. APA Citation: CAST, 2011. Disponível em: <http://www.udlcenter.org/sites/udlcenter.org/files/guidelines.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2017.

CAST. About universal design for learning, 2016. Disponível em: <http://www.cast.org/our-work/about-udl.html#.WUQ86OvyuM9>. Acesso em: 16 jun. 2017.

CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA MUNICIPAL. Fundação Prefeito Faria Lima. Acessibilidade nos municípios: como aplicar o decreto 5296/04, 2008. Disponível em: . p. 56-58. Acesso em: 12 mar. 2017.

COUREY, J. S.; TAPPE, P.; SIKE, J.; LEPAGE, P. (2012). Improved lesson planning with universal design for leaning (UDL). Teacher education and special education, v. 36, n. 1, p. 7-27. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.822.5148&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 25 fev. 2017.

EDYBURN, D.L. Would you recognize universal design for learning if you saw it? Ten propositions for new directions for the second decade of UDL. Learning disabilities quarterly, p. 33-41, 2010.

FLETCHER, V. Design universal: design para o século 21. [s.l.]: Griffith University, 2002.

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. As novas tecnologias e a tecnologia assistiva: utilizando os recursos de acessibilidade na educação especial. In: III Congresso Ibero-Americano de Informática na Educação Especial. Anais. Fortaleza, MEC, 2012.

GLAT, R.; FERNANDES, E. M. Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da educação especial brasileira. Revista inclusão: MEC/SEESP, v. 1, n. 1, p. 35-39, 2005. Disponível em: <http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/Da%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Segregada%20%C3%A0%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Inclusiva.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2017.

GLAT, R.; NOGUEIRA, M. L. de L. Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Revista Integração. v. 24, ano 14; Brasília: MEC/SEESP, p. 22-27, 2002.

GOVERNO DE SÃO PAULO. Desenho universal: habitação de interesse social no Estado de São Paulo. 2010, p.14-35. Disponível em: <http://www.mpsp.mp.br/manual-desenho-universal>. Acesso em: 16 mar. 2017.

HITCHCOCK, C.; et al. Providing new access to the general curriculum. Universal Design for Learning. In: Teaching exceptional children, p. 8-35, 2002.

MEYER, A.; ROSE, D. H.; GORDON, D. Universal design for learning: Theory and practice. Wakefield: CAST Professional Publishing, 2014.

INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira”). Censo da educação superior: 2011 – resumo técnico. Brasília: Inep, 2013.

MIRANDA, A.S. Recomendações de acessibilidade digital em cursos de educação a distância via web para portadores de deficiência visual. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2002.

PAVÃO, S. M. de O.; BORTOLAZZO, J. Ações de atenção à aprendizagem no ensino superior. Santa Maria: Laboratório de Pesq. e DOC. CE,1. ed. UFSM, 2015. Disponível em: <http://coral.ufsm.br/anima/images/Aes%20de%20Ateno%20%20Aprendizagem%20no%20Ensino%20Superior.pdf>. Acesso em: 05 maio 2017.

ROSE, D.H.; Meyer, A.; Hitchcock, C. The universally designed classroom: Accessible Curriculum and Digital Technologies. Cambridge: Harvard Education, 2002.

ROSE, D.H.; Meyer, A.; Hitchcock, C. A practical reader in universal design for learning. Cambridge, MA: Harvard Education Press, 2006.

UNIVERSAL DESIGN FOR LEARNING – UDL. Guidelines – version 2.0. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2017.

VYGOTSKY, L.S. Thought and Language. Cambridge, MA: MIT Press.1962. Disponível em: <http://www.instructionaldesign.org/theories/social-development.html>. Acesso em 15 fev. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Coordenação de acessibilidade educacional, física e informacional. Caefi. Juiz de Fora, 2009. Disponível em: <http://www.ufjf. br/acessibilidade/caefi/>. Acesso em: 10 maio 2017.

Downloads

Publicado

23/08/2017

Como Citar

Ricardo, D. C., Saço, L. F., & Ferreira, E. L. (2017). O desenho universal na educação: novos olhares diante da inclusão do ser deficiente. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 12(esp.), 1524–1538. https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10083