O estágio supervisionado: fios, desafios, movimentos e possibilidades de formação

Autores

  • Luis Távora Furtado Ribeiro Universidade Federal do Ceará
  • Osmar Hélio Alves Araújo Universidade Federal da Paraíba (UFPB)/Universidade Regional do Cariri (URCA)

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10280

Palavras-chave:

Estágio supervisionado. Formação docente. Contexto escolar.

Resumo

Discute-se aqui o estágio supervisionado como um processo que deve possibilitar aos estagiários fazer uso constante do diálogo, da indagação e da reflexão sobre as experiências, as habilidades, as atitudes e os conhecimentos construídos e em construção, buscando sempre dar significado às aprendizagens apreendidas a partir deste processo. Com base em pesquisas e ensaios relevantes sobre o tema, busca-se aqui sublinhar a experiência do estágio como um processo contínuo e dinâmico de aprendizagens acerca da profissão docente, assim como suas relações com os variados territórios e tempos e, ainda, os modos de ser, de fazer e de estar na profissão. Conclui-se sublinhando a importância de se vivenciar uma experiência do estágio ancorando-se em uma perspectiva crítica-reflexiva, assim como a relevância da participação, do interesse e do estagiário manter uma postura ativa nas atividades realizadas no estágio. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Távora Furtado Ribeiro, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará (1983); mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (1990) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2002). Concluiu Estágio Pós-doutoral na École de Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) sob a supervisão de Michel Löwy com bolsa CNPq. É professor associado da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará, atuando na graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado em Educação) nas linhas: Educação, Currículo e Ensino e História e Memória da Educação. Foi diretor eleito da Faculdade de Educação da UFC por 2 mandatos entre 2003-2011. Professor colaborador do mestrado intercampi Feclesc/Fafidam em Educação da Universidade Estadual do Ceará. Coordena o Projeto de Pesquisa Intitulado ASPECTOS HISTÓRICOS E ATUAIS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE FORMAÇÃO DOCENTE NO BRASIL. Foi professor da educação básica por 10 anos. Tem cursos na área de educação no Instituto Aharon Ofri em Israel e no CPEIP no Chile. Atua nas áreas formação de professores; política educacional e financiamento da educação; movimentos sociais e escola; ensino de história e geografia; história da educação; sociologia e filosofia da educação; educação e religião; diretrizes curriculares; metodologias de ensino e ética. . Foi presidente do Fórum de Diretores de Centros e Faculdades de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR). É membro da Anfope (Associação Nacional para Formação de Profissionais em Educação) e colabora com o Instituto Anísio Teixeira (INEP/MEC) na qualidade de Avaliador do Basis para reavaliação e supervisão especial dos cursos de Pedagogia e Ciências Sociais em todo o Brasil. Membro do COMITÉ DE PARRAINAGE DU SÉMINAIRE ?MARX AU XXIe SIÈCLE? do .Le Centre d?Histoire des Systèmes de Pensée Moderne (CHSPM) Paris 1, PANTHÉON Sorbonne. Professor-pesquisador do CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO ENTRE A L?UNIVERSITÉ PARIS 1 PANTHÉON-SORBONNE (LABORATOIRE PHARE - PHILOSOPHIE, HISTOIRE ET ANALYSE DES REPRE¬SEN¬TATIONS ÉCONOMIQUES), A LINHA DE PESQUISA MARXISMO, EDUCAÇÃO E LUTA DE CLASSES (E-LUTA) DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (UFC) E O MESTRADO ACADÊMICO INTERCAMPI EM EDUCAÇÃO E ENSINO (MAIE), DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ.. Professor-pesquisador do Convênio de Colaboração entre o Programa de Mestrado em Antropologia de Iberoamérica da Universidade de Salamanca (MAI) e Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes (E-Luta) do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará (UFC)

Osmar Hélio Alves Araújo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)/Universidade Regional do Cariri (URCA)

Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB); mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC); graduando em Pedagogia; graduado em Letras; especialista em Supervisão e Orientação Educacional pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). A trajetória profissional passa pela docência na Educação Infantil, no Ensino Fundamental e Médio, pelo trabalho como supervisor educacional, professor-formador de professores, coordenadores e gestores escolares na Rede Municipal de Ensino do Ceará e pela docência no Ensino Superior. Atualmente integra os Grupos de Pesquisas do CNPq: Formação Docente, História e Política Educacional da Universidade Federal do Ceará (UFC) e Educação, Trabalho e Formação de Professores (GEPET) da Universidade Regional do Cariri (URCA). Estar vinculado a Universidade Regional do Cariri (URCA) como professor. É membro da Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE) e da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE). Pesquisa e escreve sobre os seguintes temas: Didática e Pedagogia, trabalho docente e práticas pedagógicas, formação de professores, organização e gestão da escola.

Referências

ADRIÃO, T.; GARCIA, T.; BORGHI, R.; ARELARO, L. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de sistemas de ensino- por municípios paulistas. Educação e Sociedade, v. 30, n. 108, p. 799-818, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302009000300009 >. Acesso em: 12 maio 2017.

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves.; RIBEIRO, Luís Távora Furtado. A didática e a pedagogia como suporte teórico para uma coordenação pedagógica qualificada. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.20, n.2, p. 501-513, 2016. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.22633/rpge.v20.n3.9533>. ISSN: 1519-9029. Acesso em: 29 abr. 2017.

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves.; RIBEIRO, Luís Távora Furtado.; PINHEIRO, Maria Nerice dos Santos. Tecnologias móveis nos processos de ensino e de aprendizagem: mobilidade docente?. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. v. 11, n. 1, janeiro/março de 2016. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.21723/riaee.2016.v11.n1.p95>. ISSN: 1982-5587. Acesso em: 29 abr. 2017.

AZEVEDO, Maria A. R. de.; Andrade,Maria de F. R. de. O trabalho de orientação dos estágios frente aos diferentes cenários educacionais. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.147-161, Jul/Dez 2011. Disponível em: < http://www.curriculosemfronteiras.org/vol11iss2articles/azevedo-andrade.pdf >. Acesso em: 12 maio 2017.

BRANDÂO, Zaia. Abordagens alternativas para o ensino de didática. In: CANDAU, Vera Maria (org.) A didática em questão. 28. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 55-65.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Conselho Nacional de Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.mec.gov.br/legis/pdf/LDB.pdf >. Acesso em: 12 maio 2017.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul./set. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v41n3/1517-9702-ep-41-3-0601.pdf >. Acesso em: 03 maio 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13. ed. São Paulo, Paz e Terra, 1996.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1085-1114, out.-dez., 2014. Disponível: Acesso em:< http://www.scielo.br/pdf/es/v35n129/0101-7330-es-35-129-01085.pdf >. 22 nov. 2016.

LUCKESI, Cipriano Carlos. O papel da didática na formação do educador. In: CANDAU, Vera Maria (org.) A didática em questão. 28. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 25-34.

LIMA, Maria Socorro Lucena.A hora da prática: reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 4. ed., rev. e ampl. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2004. (Coleção magister).

LIMA, Maria Socorro Lucena. Reflexões sobre o estágio supervisionado na formação de professores. Revista Diálogo Educ., Curitiba-PR, v. 8, n. 23, jan./abr/2008, p. 195 -205. Disponível em:< http://nead.uesc.br/arquivos/Biologia/mod5bloco4/texto-reflexoes_sobre_estagio-e-pratica-de-ensino.pdf >. Acesso em: 28 abr. 2017.

MASCARENHAS, Aline Daiane Nunes.; FRANCO, Maria Amélia Santoro. DE PEDAGOGOS A PROFESSORES: balanço de uma década das diretrizes curriculares dos cursos de pedagogia no Brasil. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), Itapetininga, v. 2, n.1, p. 41-55, 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ep/v41n3/1517-9702-ep-41-3-0601.pdf >. Acesso em: 28 abr. 2017.

MILANESI, Irton. Estágio supervisionado: concepções e práticas em ambientes escolares. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 46, p. 209-227, out./dez. 2012. Editora UFPR. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602012000400015>. Acesso em: 12 maio 2017.

MONTEIRO, Ana Maria. A prática de ensino e a produção de saberes na escola. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Didática, currículo e saberes escolares. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 129-148.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2009.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002. (Coleção Docência em formação).

SCHÖN, Donald A. La formación de profesionales reflexivos. Hacia um nuevo diseño de la enseñanza y aprendizaje emlãsprofisiones. Barcelona: Paidós, 1992.

TARDIF, Maurice. Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade, prática, e saberes no magistério. In: CANDAU, Vera Maria (org.). Didática, currículo e saberes escolares. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 112-128.

Downloads

Publicado

05/07/2017

Como Citar

FURTADO RIBEIRO, L. T.; ARAÚJO, O. H. A. O estágio supervisionado: fios, desafios, movimentos e possibilidades de formação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 3, p. 1721–1735, 2017. DOI: 10.21723/riaee.v12.n.3.2017.10280. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10280. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)