Reflexões de uma experiência enquanto formadora regional no contexto do PNAIC em Mato Grosso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11510

Palavras-chave:

Formação continuada, Inovação docente, Alfabetização.

Resumo

Este manuscrito socializa aspectos de uma experiência realizada enquanto Formadora Regional do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, edição final de 2017/2018, coordenado pelo Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Rondonópolis. Os encontros formativos aconteceram no final de 2017 (outubro, novembro e dezembro) em Rondonópolis/MT e início de 2018 (março, abril e maio), em Cuiabá/MT. As análises e reflexões emanam dos excertos autobiográficos selecionados dos relatórios escritos pelos Formadores Locais ao final do último encontro de formação realizado. Estes evidenciam, dentre outros aspectos, que o PNAIC foi uma política que mobilizou conhecimentos alfabetizadores e, com isso, provocou reflexões acerca da necessidade de se repensar o trabalho realizado no ciclo da alfabetização. 

Biografia do Autor

Ângela Rita Christofolo de Mello, Universidade do Estado de Mato Grosso

Professora adjunta da UNEMAT, campus de Juara e Profa. permanente  do Profletras, campus de Sinop. Pós-doutorado do PNPD/PPGEdu/UFMT/CUR, pesquisadora associada à UFMT/CUR e aos Grupos de Pesquisa: ALFALE/UFMT; GRAFITE/UNEMAT. Líder do GEFOPE/UNEMAT. Agência de Fomento: CAPES. 

angela.mello@unemat.br

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio a Gestão Educacional. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa: Formação do Professor Alfabetizador, Caderno de Apresentação. Brasília: 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio a Gestão Educacional. Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa: apresentação, Alfabetização Matemática. Brasília: 2014.

FERREIRA, Andrea. T. B.; LEAL, T. F. A formação continuada de professores: enfim o que pensam e sugerem os docentes? In: Formação continuada de professores: Reflexões sobre a prática. Recife: Editora Universitária, UFPE, 2010.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capital real. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GHEDIN, E. Professor Reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In.: PIMENTA, Selma Garrido e GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GIMENO SACRISTÁN, J. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2001.

PIMENTA, Selma Garrido. Professo Reflexivo: construindo uma crítica. In.: PIMENTA, Selma Garrido e GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SOUZA, E. C. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. In: Revista educação em questão. v. 25, n. 11, 2006, jan./abr., p. 22-39, Natal, RN: EDUFRN. Disponível em: http://www.revistaeduquestao.educ.ufrn.br/pdfs/v25n11.pdf. Acesso: 15 de abril de 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

VALANDARES, J. M. O professor diante do espelho: reflexões sobre o conceito de professor reflexivo. In.: PIMENTA, Selma Garrido e GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

Mello, Ângela R. C. de. (2019). Reflexões de uma experiência enquanto formadora regional no contexto do PNAIC em Mato Grosso. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(3), 1229–1244. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11510

Edição

Seção

Relatos de Experiência