Disfarça-me que te devoro: youtubers mirins, consumo e semiformação da criança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.4.12921

Palavras-chave:

Infância, Consumo, Mídia.

Resumo

Este artigo  objetiva problematizar o papel e o impacto da indústria cultural na formação das crianças, tomando os youtubers mirins como foco de análise. Para tanto, busca refletir como se configura e atua a indústria cultural, bem como reconhecer as características da cultura digital, as formas de comunicação instituídas pelos youtubers que estimulam o consumo e tecer reflexões sobre como isso impacta na (semi)formação das crianças. É uma reflexão de cunho teórico, a partir de autores fundamentados na teoria crítica e que discutem a infância e sua (re)configuração na contemporaneidade. Como resultados, as novas formas de viver a infância na atualidade têm sido guiadas pelos aparatos tecnológicos como terreno fértil para divulgação de publicidade disfarçada na voz de crianças, moldando seus modos de ser, pensar e consumir.

Biografia do Autor

Aliandra Cristina Mesomo Lira, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), Guarapuava - PR

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação.

Solange Franci Raimundo Yaegashi, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá - PR

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Educação.

Eliane Dominico, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá - PR

Doutoranda em Educação. 

Referências

ADORNO, T. W. Teoria da Semiformação. In: PUCCI, B.; ZUIN, A. A. S.; LASTÓRIA, L. A. C. N. (orgs.). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas, SP: Autores Associados, p. 7-40, 2010.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

ALANA, I. Crianças sem marcas. Dicas para os pais que vivem em uma cultura de consumo. São Paulo: Alana, 2016.

BANDEIRA, B. S.; OLIVEIRA, A da R. Formação cultural e semiformação: contribuições de Theodor Adorno para pensar a educação hoje. Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 225-232, maio/ago. 2012.

BARBER, B. R. Consumido: como o mercado corrompe crianças, infantiliza adultos e engole cidadãos. Rio de Janeiro: Record, 2009.

BAUMAN, Z. A modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BUCKINGHAM, D. Crescer na era das mídias eletrônicas. São Paulo: Loyola, 2007.

CASTORIADIS, C. Encruzilhadas do labirinto VI: figuras do pensável. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2004.

COELHO, P. M. F.; COSTA, M. R. M.; MATTAR NETO, J. A. Saber digital e suas urgências: reflexões sobre imigrantes e nativos digitais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 1077-1094, jul./set. 2018.

DALETHESE, T. R. Faz de conta que todos nós somos youtubers: crianças e narrativas contemporâneas. Dissertação de Mestrado, 173f. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

DOMINICO, E.; LIRA, A. C. M. De princesas a super-heróis: a influência dos personagens na alimentação e educação das crianças. Rev. Fac. Educ., Mato Grosso, v. 28, n. 2, p. 113-127, jul./dez. 2017.

DORNELLES, L. V. Infância que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. Petrópolis: Vozes, 2005.

DUARTE, R. Esquematismo e Semiformação. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 83, p. 441-457, ago. 2003.

LIRA, A. C. M.; NASCIMENTO, E. C. M. Infância e cultura. Curitiba: CRV, 2015.

MARÔPO, L.; SAMPAIO, I. V.; MIRANDA, N. P de. Meninas no YouTube: participação, celebrização e cultura do consumo. Estudos em Comunicação, Covilhã, Portugal, n. 26, v. 1, p. 175-195, maio 2018.

MELO, D. R. de. Infância youtuber: um estudo sobre modos de ser criança na contemporaneidade. Dissertação de Mestrado, 146f. Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2018.

MOMO, M. Mídia, consumo e os desafios de educar uma infância pós-moderna. In: DORNELLES, L. V.; BUJES, M. I. E. (Org.). Educação e infância na era da informação. Porto Alegre: Mediação, p. 29-49, 2012.

MONTIGNEAUX, N. Público-alvo: crianças – a força dos personagens e do marketing para falar com o consumidor infantil. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

SCHOR, J. Nascidos para comprar: uma leitura essencial para orientarmos nossas crianças na era do consumismo. São Paulo: Gente, 2009.

STEINBERG, S. R.; KINCHELOE, J. L. Sem segredos: cultura infantil, saturação de informação e infância pós-moderna. In: STEINBERG, S. R.; KINCHELOE, J. L. Cultura infantil: a construção corporativa da infância. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 9-52, 2004.

ZUIN, V. G.; ZUIN, A. A. S. A atualidade do conceito de semiformação e o renascimento da Bildung. Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 24, n. 3, p. 420-436, set./dez. 2017.

Publicado

01/09/2019

Como Citar

LIRA, A. C. M.; YAEGASHI, S. F. R.; DOMINICO, E. Disfarça-me que te devoro: youtubers mirins, consumo e semiformação da criança. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp.4, p. 1960–1976, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14iesp.4.12921. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12921. Acesso em: 6 mar. 2021.