“Chão da sala de aula” no ensino superior: metodologia dos professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp2.13801

Palavras-chave:

Diferenças, Metodologia de ensino, Professores.

Resumo

As propostas de formação de professores na atualidade não estão atingindo os objetivos educacionais e seus resultados são questionados ao se avaliarem as práxis empreendidas pelos professores no cotidiano do ensino superior. Essas questões têm provocado inquietações nos docentes. Nesse sentido, surgiu a construção desse projeto de pesquisa-ação crítico-colaborativa denominado Metodologia de Ensino do Professor no Contexto do Ensino Superior, no qual se investiga solução para a melhoria da docência. A pesquisa é desenvolvida a partir do “chão da sala de aula” em processo de autoinvestigação, em que o professor estuda seu próprio trabalho com a mediação do professor pesquisador. Ambos trabalham em ações crítico-colaborativas. O delineamento metodológico dessa pesquisa é de natureza qualitativa e estudou o chão da sala de aula no âmbito do ensino superior, envolvendo a metodologia de ensino do professor. Exemplificaremos neste artigo uma parte da pesquisa realizada com uma das professoras pesquisadoras da área, nesse caso, área de exatas, com disciplina de Cálculo e Álgebra, envolvendo duas turmas com elevados índices de reprovação. Ao final do estudo, chegou-se às seguintes análises: que os professores do ensino superior, em sua maioria, foca seu trabalho no domínio de conteúdo pelo conteúdo sem contexto com a área de formação do acadêmico; que as formas que colocam esse conteúdo na ambiência da sala de aula e a escolha da metodologia de ensino não coadunam com resultados positivos na aprendizagem do acadêmico; que os professores esquecem as diferenças e os potenciais individuais dos acadêmicos e trabalham de forma homogênea, desprezando o cenário heterogêneo dessa ambiência; que, quando orientados a trabalhar de forma diferenciada, aplicando as metodologias ativas, criando possibilidades de respeitar as diferenças existentes na classe, os resultados aparecem. Assim, os resultados e as discussões neste artigo nos levaram à reflexão de que a metodologia de ensino do professor em uma perspectiva inclusiva e com metodologias ativas de ensino faz a diferença. Portanto, urge provocar mudanças no contexto do chão da sala de aula no ensino superior, de um modelo excludente para inclusivo. Esse caminho metodológico inclusivo requer “jeitos diferentes” de executar o processo pedagógico, envolvendo os prismas éticos, estéticos e didáticos de fazer aula. Construir novas possibilidades para o chão da sala de aula no ensino superior requer mudança de paradigma pedagógico.

Biografia do Autor

Mirlene Ferreira Macedo Damázio, Universidade Federal Grande Dourados (UFGD), Dourados – MS

Professora Adjunta. Faculdade de Educação.

Sandra Regina de Oliveira de Souza, Universidade Federal Grande Dourados (UFGD), Dourados – MS

Professora Adjunta. Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologias.

Referências

BOGDAN, Roberto Carlos; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

COPI, Irving Marmer. Introdução à lógica. 2. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1978.

FONSECA, Vítor da. Psicomotricidade: filogênese, ontogênese e retrogênese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

LOPES, Artur. Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação nos cursos de Cálculo da UFRGS. Sociedade Brasileira de Matemática, Rio de Janeiro, n. 26/27, p. 123-146, jun./dez. 1999. (Matemática Universitária.)

MENEZES, Ebenezer Takuno de; SANTOS, Thais Helena dos. Verbete Conferência de Jomtien. Dicionário Interativo da Educação Brasileira – Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: https://www.educabrasil.com.br/conferencia-de-jomtien/.

MENEZES, Luís. Matemática, linguagem e comunicação. Millenium, 2000. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/20_ect3.htm. Acesso em: 20 fev. 2020.

SCHMITT, Camila da Silva; DOMINGUES, Maria José Carvalho de Souza. Estilos de aprendizagem: um estudo comparativo. Avaliação [online], Campinas, v. 21, n .2, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-40772016000200004. Acesso em: 20 fev. 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

STAINBACK, William; STAINBACK, Susan. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

WEIL, Pierre. A arte de viver em paz: por uma nova consciência, por uma nova educação. São Paulo: Gente, 2000.

Publicado

26/06/2020

Como Citar

DAMÁZIO, M. F. M.; SOUZA, S. R. de O. de. “Chão da sala de aula” no ensino superior: metodologia dos professores. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp2, p. 1482–1500, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15iesp2.13801. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13801. Acesso em: 25 fev. 2021.