Pessoas com Deficiência (PcD) egressas de uma formação profissional: trabalho e educação

Maria Cecília de Souza Minayo, Pedro Demo, Renan Antônio da Silva

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar, na concepção de Pessoas com Deficiência (PcD) egressas de formação profissional, a contribuição dessa formação para sua inclusão no mundo do trabalho. Foi realizada pesquisa exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa de corte transversal. Os procedimentos foram: pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Roteiro semiestruturado de entrevistas foi o instrumento aplicado na coleta de dados. Foram realizadas 28 entrevistas com PcD egressas da formação profissional do SENAI/SP e aplicada a técnica de análise de conteúdo. O software NVivo 12 foi utilizado na análise dos dados. Os resultados indicam que, na concepção dos egressos, a formação profissional possibilita a descoberta de suas capacidades e potencialidades; permite que sejam produtivos, interajam no ambiente de trabalho e contribuam com a sociedade, sentindo-se incluídos. Constatou-se que houve impactos positivos na vida de todos os sujeitos, relacionados ao resgate de valores como autoestima, autonomia e cidadania.

Palavras-chave


Educação Profissional; Pessoa com deficiência; Análise de conteúdo.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


ABBUD, C. F. A pedagogia da empregabilidade no site da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH). 2017. 180 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, 2017.

ALKMIM, G. V. Empregabilidade dos egressos dos cursos superiores de Tecnologia em diferentes regiões do Estado de Minas Gerais: o caso do curso de Análise e Desenvolvimento e Sistemas. 2015. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, 2015.

ASSIS, S. T. G. de. A educação profissional de pessoas com deficiência: processos de inclusão. 206 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Pará – UEPA, Belém, PA, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70 - Almedina, 2016.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 52. ed. Brasília: Edições Câmara, 2017.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 06 de julho de 2015. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 10 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.394, de 23 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996. Disponível em : http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 02 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2014a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.p hp?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-espec ial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid =30192. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em 02 abr. 2020.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Relação Anual de Informações Sociais (2017) Análise dos principais resultados. Brasília, MTb, set. 2018. Disponível em: http://pdet.mte.gov.br/rais?view=default. Acesso em 02 abr. 2019.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência comentada. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2008.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1998.

GARCIA, J. C. D.; GALVÃO FILHO, T. A. Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-SECIS, 2012. 68 p.

GIL, M. Caminhos da Inclusão: a história da formação profissional de pessoas com deficiência no SENAI-SP. São Paulo: SENAI-SP Editora, 2012. 248p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Cartilha do Censo Demográfico 2010 – Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro, 2010. 215p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/ visualizacao/periodicos/94/cd_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em 09 jun. 2020.

JOHANN, J. Programas de Educação Profissional na APAE de Toledo, Paraná. 2011. 104 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Cascavel, PR, 2011.

LIMA, M. P.; CAPPELLE, M. C. A. Educação Profissional de Pessoas com Deficiência: adaptações para a acessibilidade. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 3, p. 1065-1098, 2013.

MEUNOVOMUNDO. Projeto Meu Novo Mundo: um olhar diferente para a inclusão. 2014. Disponível em: http://www.meunovomundo.org.br/projeto.html. Acesso em: 10 mar. 2020.

MINAYO, M. C. de S. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, p. 1259-1267, 2006.

MINARELLI, J. A. Empregabilidade: o caminho das pedras. 6. ed. São Paulo: Gente, 1995.

NEVES-SILVA, P; PRAIS, F. G.; SILVEIRA, A. M. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho em Belo Horizonte, Brasil: cenário e perspectiva. Ciênc. Saúde coletiva [online], v. 20, n. 8, p. 2549-2558, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pi d=S141381232015000802549&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 04 fev. 2020.

OLIVEIRA, F. C. de. Educação profissional de pessoas com deficiência: política e produção acadêmica, no Brasil, pós lei 8.213/1991. 2017. 192 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

OMS. World Health Organization. The World Bank. Relatório Mundial Sobre a Deficiência. Trad. Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. 334 p. Título original: World report on disability, 2011.

ROCHA, L. P.; REIS, M. B. de F.; COSTA, V. B. da. Educação especial e inclusão: diálogos sobre pesquisa, políticas e práticas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S.l.], v. 15, n. esp. 1, p. 872-883, mar. 2020. ISSN 1982-5587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/13501. Acesso em: 18 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp.1.13501

SALES, P. E. N.; OLIVEIRA, M. A. M. Políticas de educação profissional no Brasil: trajetórias, impasses e perspectivas. In: CARVALHO, M. L. M. (Org.). Cultura, saberes e práticas: memórias e história da educação profissional. São Paulo: Centro Paula Souza, 2011. p. 165-184.

SASSAKI, R. K. Como chamar as pessoas que têm deficiência? Revista da Sociedade Brasileira de Ostomizados, ano I, n. 1, p. 8-11, 2003. [Texto atualizado em 2009].

SASSAKI, R. K. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2010. 180 p.

SENAI. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Departamento Nacional. Método de adequação de curso para inclusão da pessoa com deficiência. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Brasília: SENAI, 2015. 172 p., il.

SENAI. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Aprendizagem industrial: orientações para as empresas. 5. ed. São Paulo, 2018. 218 p., il.

SENAI. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Institucional: o que é o senai. 2019. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/senai/institucional/ o-que-e-o-senai/. Acesso em: 10 mar. 2020.

SENAI. T. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Iniciativas: programas e serviços. 2019a. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/senai/institucion al/programas-e-servicos/. Acesso em: 10 mar. 2020.

SILVA, R.A.; LUCIFORA, C.A.; REINA, F.T.; Muzzeti, L.R. Marcas sociais de nossos tempos: gênero, sexualidade e educação em âmbito escolar. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, [S.l.], v. 14, n. esp. 2, p. 1395-1409, jun. 2019. ISSN 1982-5587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12607. Acesso em: 18 junho 2020. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12607

SILVA, R. S. A inclusão no mercado de trabalho formal e a construção da identidade de pessoas com deficiência: um estudo de caso. 2014. 89 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) - Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, 2014.

ZANOTE, M. A. Avaliação de competências profissionais de aprendizes com deficiência: um estudo de caso. 2011. 172 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista – UNESP, Marília/SP, 2011.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.13816



Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.