Paulo Freire e o ensino fundamental

Reflexões sobre uma formação crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i3.16834

Palavras-chave:

Paulo Freire, Formação crítica, Educação, Sujeito crítico

Resumo

A formação de estudantes, em qualquer que seja o nível de escolarização, enseja sempre a necessidade e a expectativa de que esses sejam sujeitos críticos. Esse texto, com uma abordagem qualitativa, se ocupa em provocar, a partir de uma perspectiva freireana, o que pode ser essa formação e esse exercitar da criticidade, não se ocupando com um corolário de definições, mesmo que de renomados pesquisadores, sobre o que venha a ser um sujeito crítico, uma necessidade básica para se poder pensar em um processo de escolarização que viabilize essa almejada formação crítica. Para isso, o texto apresenta e discute algumas ações que, no transcorrer da história, marcaram seus idealizadores por conta de posicionamentos, ideias e ações questionadoras em seu tempo histórico e que demarcam, para essa análise, um pensar e agir crítico e que pode ser refletido por todos os envolvidos direta e indiretamente com o processo educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antônio Batista Carvalho, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel – PR – Brasil

rofessor do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECEM). Doutorado em Letras e Linguística (UFBA).

Adrian Alvarez Estrada, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel – PR – Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Cultura e Fronteiras (PPGSCF). Doutorado em Educação (USP).

Fabio Lopes Alves, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel – PR – Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Cultura e Fronteiras (PPGSCF). Doutorado em Ciências Sociais (UNISINOS).

Valdecir Soligo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel – PR – Brasil

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Cultura e Fronteiras (PPGSCF). Doutorado em Educação (UNISINOS).

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BÍBLIA. Português. Tradução do novo mundo das escrituras sagradas. Tradução da versão inglesa de 1961. Revisão de 1986. Cesário Lange, SP: Associação torre de vigia de bíblias e tratados, 2006.

BORGES, S. B. As múltiplas facetas da formação em leituras. In: ENCONTRO DO CELSUL, 9., 2010, Palhoça. Anais [...]. Palhoça, SC: Universidade Federal de Santa Maria, 2010.

BRASIL, Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 07 ago. 2021.

CAMBI, F. História da Pedagogia. Tradução: Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

CHARTIER, R. A Aventura do Livro: Do leitor ao navegador. Tradução: Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

CHASSOT, A. A Ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1994.

CHAUÍ, M. Convite a Filosofia. 5. ed. São Paulo: Editora Ática, 1995.

COMENIUS, J. A. Didática magna. 2. ed. Tradução: Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ECO, U. O nome da rosa. Tradução: Aurora Bernardini e Homero Freitas de Andrade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Conscientização: Teoria e prática da libertação: Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. Tradução: Kátia de Mello e Silva. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FREIRE, P Pedagogia da esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 20. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001a.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: Em três artigos que se completam. 42. ed. São Paulo: Cortez, 2001b.

FREIRE, P. Pedagogy of indignatíon. Boulder: Paradigm Publishers, 2004.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 1999.

GASPARIN, J. L. Comênio ou da arte de ensinar tudo a todos. Campinas, SP: Papirus, 1994.

GRUPPI, L. O Conceito de Hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MANACORDA, M. A. História da educação: Da antiguidade aos nossos dias. 8. ed. Tradução: Gaetano Lo Mônaco. São Paulo: Cortez, 2000.

MANGUEL, A. Uma História da Leitura. Tradução: Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SCHMITZ, E. F. Os jesuítas e a educação: Filosofia educacional da Companhia de Jesus. São Leopoldo, RS: Ed. UNISINOS, 1994.

STÖRING, H. J. História geral da filosofia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

TORRES, J. C. B. Introdução. In: ROUSSEAU, J. J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Tradução: Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2011.

Publicado

01/07/2022

Como Citar

CARVALHO, M. A. B.; ESTRADA, A. A.; ALVES, F. L.; SOLIGO, V. Paulo Freire e o ensino fundamental: Reflexões sobre uma formação crítica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 3, p. 1514–1531, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i3.16834. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16834. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.