Desafios da formação de professores alfabetizadores: em busca da apropriação da linguagem escrita como desenvolvimento humano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n.esp4.9206

Palavras-chave:

Formação de professores. Apropriação da linguagem escrita. Desenvolvimento humano.

Resumo

Neste artigo, buscamos refletir sobre os desafios presentes na formação de professores responsáveis pela alfabetização das crianças, a partir da compreensão da linguagem escrita como instrumento cultural complexo, cuja apropriação resulta no desenvolvimento das funções psicológicas superiores. A partir de uma perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano, percebemos quão grandes são esses desafios, considerando o caráter fragmentado da formação dos professores, que tendem a tomar retórica por teoria e ativismo por prática, desvinculando os dois âmbitos da produção do conhecimento humano. Trata-se de uma formação que pouco tem contemplado os conteúdos a serem ensinados às crianças, priorizando as capacidades mínimas que sirvam à vida cotidiana em detrimento das capacidades máximas alcançadas pelo gênero humano. Sendo a linguagem escrita e seu ensino objetos complexos, específicos, não-cotidianos e conceituais, não se pode conhecê-los verdadeiramente se não for pela via do pensamento conceitual que também precisa ser ensinado. Com isso, embora pareça longe a superação do quadro de analfabetismo funcional no país, consideramos que a mediação das abstrações, na formação docente, constitui caminho essencial à luta pelo direito de todas as pessoas ao desenvolvimento das capacidades de leitura e escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia Cláudia Barroso da Rocha, Universidade Federal do Amazonas

Estudante de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas.

Downloads

Publicado

30/12/2016

Como Citar

ROCHA, S. C. B. da; BISSOLI, M. de F. Desafios da formação de professores alfabetizadores: em busca da apropriação da linguagem escrita como desenvolvimento humano. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 2499–2516, 2016. DOI: 10.21723/riaee.v11.n.esp4.9206. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/9206. Acesso em: 4 ago. 2021.