Inter-relação entre professores da sala de atendimento educacional especializado e do ensino regular

Valéria de Oliveira, Hellen Karolinni Rocha Souza, Kelly Vital, Betania Jacob Stange Lopes

Resumo


O presente estudo teve por objetivo principal: mapear e analisar o nível e a forma de articulação entre os professores e as atividades desenvolvidas em Salas de Recursos Multifuncionais (SRMs) e salas comuns, em uma proposta inclusiva. Com o intuito de contribuir para o processo da educação inclusiva no ambiente escolar, estabeleceu-se aqui a abordagem quanti-qualitativa do tipo transversal. Utilizou-se um questionário para os professores de sala comum e professores de SRM. Participaram deste estudo dezesseis professores de sala comum que tinham alunos com deficiência e nove de SRM da rede pública de ensino de dois municípios da Região Metropolitana de Campinas. Para a análise de conteúdo dos questionários, tomou-se como referência a obra de Bardin, que aponta três fases fundamentais no processo: pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados. Por meio deste estudo, foi possível concluir que: (a) os professores estão cientes da importância da SRM e das atribuições dos professores que atuam nesse espaço - todavia, não parece estar claro o trabalho do professor da sala comum -, (b) há uma inter-relação entre professores de sala comum e SEM - todavia falta maior tempo destinado às trocas necessárias -, e (c) em alguns casos, há falta de entendimento do professor de sala comum sobre a sua função quanto ao aluno Público-Alvo da Educação Especial (PAEE).


Palavras-chave


Sala de recursos multifuncionais. Sala comum. Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


ARARUNA, M. R. Dos desafios às possibilidades: a prática pedagógica do professor do Atendimento Educacional Especializado com aluno que apresenta deficiência intelectual. 2013, 281f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira). Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza: 2013.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Esplanada dos Ministérios. Nota Técnica – seesp/gab/n.º 11/2010.

BRASIL. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Resolução n.º 4, de 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 20 jan. de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto n.º 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário oficial da União, Brasília, 18 de nov. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer n.º 17, de 3 de julho de 2001. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário oficial da União, Brasília, 17 de ago. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB n.º 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2011.

BRASIL. Portaria Cenp n. 1/96 L.C. n.º 836/97.

BRASIL. Projeto de lei 5.395/09, disponível em: Acesso em: 2 de abr. 2017.

BUIATTI, V.P. Atendimento Educacional Especializado: dimensão política, formação docente e concepções dos profissionais. 2013. 320f. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de Uberlândia, Uberlândia, 2013.

CHIZZOTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez. 2006.

CIA, F.; RODRIGUES, R. K. G. As Relações do Professor de Salas de Recursos Multifuncionais Pré-Escolar: A Escola, O Professor da Classe Comum e as Instituições Especializadas. VIII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial. Londrina de 05 a 07 de novembro de 2013 – ISSN 2175-960x.

COSTA, L. L.; DANTAS, L. M. A Relação Entre as Práticas Pedagógicas do AEE e da sala de aula comum em uma escola pública regular de Horizonte CE.CINTEDI. Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/Modalidade_1datahora_10_11_2014_18_46_51_idinscrito_3930_8539bf7b96c2e0293b1928242ccf7b31.pdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

DELEVATTI, A. C. Atendimento Educacional Especializado: que atendimento é este? As configurações do AEE na perspectiva da rede municipal de ensino de Gravataí/RS. 2012. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

DENARI, F. E. Um (novo) olhar sobre a formação do professor de educação especial: da segregação à inclusão. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 35-63;

FALVEY, M. A.; GIVNER, C. C.; KIMM, C. O que eu farei segunda-feira pela manhã? In: S. B. Stainback; W. Stainback. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999.

FURLAN S. M. A. Métodos e Tecnicas de Ensino Utilizados na Sala de Recursos Multifuncionais – Atendimento Educacional Especializado. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. 2014. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4229/1/MD_EDUMTE_2014_2_6.pdf. Acesso em: 1 jun. 2017.

GEHARDTT, T. H., SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre Editora da universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

MANTOAN, M. T. E. SANTOS, M. T. C. T. FIGUEIREDO, R. V. Fascículo da Educação Especial. Ministério da Educação e Cultura – MEC, Brasília, 2011.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 11, n. 33, 2006, p. 387-405.

MINAYO, M. C. S., SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: Oposição ou complementaridade? In: Caderno de Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz. Rio de Janeiro: Fiocruz, jul./set. 1993.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10444



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.