Facilitando o processo de aprendizagem no ensino superior: o papel das metodologias ativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.11769

Palavras-chave:

Aprendizagem ativa, Formação, Ensino, Saúde, Educação física.

Resumo

O objetivo geral do estudo foi analisar como as metodologias ativas: Peer Instruction, Método de Caso e Mapas Conceituais, podem facilitar a aprendizagem do discente no Ensino Superior na área da Saúde. O delineamento da pesquisa se caracterizou como um estudo observacional analítico transversal, descritivo e Survey. Participaram do estudo n=51 discentes de Graduação Plena em Educação Física (Bacharelado). As análises dos resultados foram feitas por meio de frequências absolutas e relativas, bem como o cálculo do Ganho de Rendimento (GR). Como resultados principais, o GR (%) foi cerca de 83,3%. Este rendimento, variou entre 5,2% a 63,2%. Pode-se inferir que a propósito das metodologias ativas experimentadas e desenvolvidas em aulas no universo da graduação podem vir a se destacar como alternativas efetivas para alterar o panorama criticado hoje no Ensino Superior em relação, em especial, a falta de motivação dos alunos em aprender.

Biografia do Autor

Carlos Alexandre Felício Brito, Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

Possui graduação em Licenciatura Plena pela Faculdade de Educação Física de Santo Andre (1990), Mestrado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2000); Doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2005). É Professor Doutor da Universidade Paulista e Professor-IC da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Exerce a função na USCS na graduação no Núcelo Comum (Metodologia da Pesquisa) e na áre da Educação Física (Disciplinas Específicas). Atua como professor no Mestrado Profissional Inovação no Ensino Superior em Saúde, na Linha 1, e compôe o grupo de avaliadores do MEC-INEP

Marcia Zendron de Campos, UNIP Universidade Paulista

Marcia Zendron de Campos é doutora em Educação: Currículo pela PUC/SP , fez mestrado em Educação Física: Educação Motora pela UNICAMP/SP e é licenciada em Educação Física pela FEFISA/SP. Atualmente está coordenadora e é professora titular do curso de Educação Física na UNIP/SP, já tem 24 anos de experiência em funções acadêmicas e administrativas no Ensino Superior. Foi Membro Assessor da área Educação Física pelo INEP - para o ENADE 2014. Desde 2015 é avaliadora especialista na área da Educação Física pelo Conselho Estadual de Educação (CEE/SP).

Referências

ACIOLE, Giovanni Gurgel. Rupturas paradigmáticas e novas interfaces entre educação e saúde. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 162, p. 1172-1191, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742016000401172&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em: 24 ago. 2018.

ARAÚJO, Dolores.; GOMES DE MIRANDA, Maria Claudina.; BRASIL, Sandra L. Formação de profissionais de saúde na perspectiva da integralidade. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 31, supl. 1, p. 20-31, 2007. Disponível em: http://carvasan.jpg.medicina.ufg.br/up/148/o/FORMACAO_DE_PROFISSIONAIS_DE_SAUDE_NA_PERSPECTIVA_DA_INTEGRALIDADE.pdf. Acesso em: 24 ago. 2018.

ASSMAN, Hugo. Reencantar a educação: rumo a sociedade apreendente. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BACICH, Lilian.; NETO, Adolfo Tanzi.; DE MELLO TREVISANI, Fernando (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n.4 de 7 de Novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da União, Brasília: 9 nov. 2001.

BRASIL. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES n. 7, de 31 de março de 2004. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação, em nível superior de graduação plena em educação física. Diário Oficial da União, Brasília, 5 abr. 2004.

CAMPAGNOLO, Rodrigo et al. Uso da abordagem Peer Instruction como metodologia ativa de aprendizagem: um relato de experiência. Revista Signos, v. 35, n. 2, 2014. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/775. Acesso em: 24 ago. 2018.

CESAR, Ana Maria Roux Valentini Coelho. Método do Estudo de Caso (Case studies) ou Método do Caso (Teaching Cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. Revista Eletrônica Mackenzie de Casos, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-23, jul./dez. 2005. Disponível em: https://www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/CCSA/remac/jul_dez_05/06.pdf. Acesso em: 24 ago. 2018.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

MACHADO, Maria de Fátima Antero Sousa et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciências da Saúde Coletiva, v. 12, n. 2, p. 335-42, 2007. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2007.v12n2/335-342/. Acesso em: 24 ago. 2018.

MAZUR, Eric. Peer instruction: a user’s manual. Pap/Dskt ed. [S.l.] Prentice Hall, Inc., 1997.

MENEZES, Maria Arlinda de Assis. Método do caso e estudo de caso: uma abordagem epistemológica. Revista Justiça e Educação, v. 1, n. 1, p. 2–11, jul./dez. 2012. Disponível em: www2.cjf.jus.br/ojs2/index.php/JustEduc/article/view/1683. Acesso em: 24 ago. 2018.

MÜLLER, Maykon Gonçalves et al. A literature review on the implementation of Peer Instruction interactive teaching method (1991 to 2015). Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 3, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1806-11172017000300503&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 24 ago. 2018.

MOREIRA, Marco Antonio. Mapas conceituais e aprendizagem significativa (concept maps and meaningful learning). Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, digramas. V e Unidades de ensino potencialmente significativas, p. 41, 2012. Disponível em: http://lief.if.ufrgs.br/pub/cref/pe_Goulart/Material_de_Apoio/Referencial%20Teorico%20-%20Artigos/Mapas%20Conceituais%20e%20Aprendizagem%20Significativa.pdf. Acesso em: 24 ago. 2018.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Pioneira, 2004.

SILVA, Marcos Valério Santos da.; MIRANDA, Gilza Brena Nonato.; ANDRADE, Marcieni Ataíde de. Sentidos atribuídos à integralidade: entre o que é preconizado e vivido na equipe multidisciplinar. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, n. ahead, p. 0-0, 2017. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1414-32832017000300589&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso em: 24 ago. 2018.

STEINERT, Yvonne et al. A systematic review of faculty development initiatives designed to improve teaching effectiveness in medical education: BEME Guide no. 8. Medical Teacher, v.28, n.6, p.497-526, 2006. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01421590600902976. Acesso em: 24 ago. 2018.

THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack K.; SILVERMAN, Stephen J. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, n. 4, 2014. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/38645. Acesso em: 24 ago. 2018.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Publicado

01/01/2019

Como Citar

Brito, C. A. F., & Campos, M. Z. de. (2019). Facilitando o processo de aprendizagem no ensino superior: o papel das metodologias ativas. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(2), 371–387. https://doi.org/10.21723/riaee.v14i2.11769

Edição

Seção

Artigos