Práticas curriculares coletivas de professores do 1º Ciclo da Educação Básica de Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.12714

Palavras-chave:

Práticas curriculares, Práticas coletivas, Teoria do discurso.

Resumo

O artigo inscreve-se no debate sobre a produção das práticas curriculares de professores nos cotidianos das escolas, especificamente de professores dos anos iniciais de escolarização, e tem como objetivo analisar quais e como são realizadas práticas articulatórias na produção de práticas curriculares coletivas de professores do 1º Ciclo da Educação Básica de Portugal. Para isso, mobiliza conceitos de currículo como construção social e histórica, reconhecendo os professores enquanto agentes educativos que o configuram e o praticam nos cotidianos escolares. Os dados foram recolhidos por entrevistas a professoras de escolas de uma cidade do norte de Portugal, bem como por pesquisa documental das políticas por elas sinalizadas, e analisados a partir do olhar da Teoria do Discurso. Essa análise permitiu identificar que as professoras conseguiram produzir, ao longo dos anos e a partir do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular, práticas curriculares que forjaram aproximações a solidariedades profissionais.

Biografia do Autor

Maria Julia Carvalho de Melo, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Caruaru – PE

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Lucinalva Andrade Ataide de Almeida, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Caruaru – PE

Professora do curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea da UFPE-CAA, pertencente ao Núcleo de Formação Docente. Doutorado em Educação (UFPE).

Carlinda Leite, Universidade do Porto (UP), Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (FPCEUP), Porto

Professora no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Educação (FPCEUP). Professora Catedrática e Professora Emérita (UP). Doutorado em Ciências da Educação (UP).

Referências

ARAÚJO, K. C. L. C. de. O debate da política curricular para a formação de professores e os sentidos do estágio supervisionado (1996-2006): demandas, antagonismos e hegemonia. 2015. 234 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

BALL, S. Directrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo Sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALL, S. Performatividade, Privatização e o Pós-Estado do Bem-Estar. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, 2004.

BALL, S. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BURITY, J. Desconstrução, hegemonia e democracia: o pós-marxismo de Ernesto Laclau. Recife: Fundaj, 1997. p. 1-21.

CORREIA, J. A.; MATOS, M. Solidões e solidariedades nos quotidianos dos professores. Porto: Edições ASA, 2001.

ESQUINSANI, R. S. S. O pacto nacional pela alfabetização na idade certa e a responsabilização (accountability) do professor alfabetizador. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. esp. 4, p. 2465-2482, 2016.

FERNANDES, P. Da reforma curricular dos finais dos anos 80 à reorganização curricular dos finais dos anos 90: uma análise focalizada nos discursos. In: LEITE, C. (Org.). Mudanças curriculares em Portugal: transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, 2005.

FRANGELLA, R. de C. “Essa é sua pasta e sua turma” – inserção de professoras na rede pública de ensino e suas implicações curriculares. Revista e-Curriculum, v. 2, n. 11, p. 573-593, ago. 2013.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. Por que é que vale a pena lutar? Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2001.

LACLAU, E. Discourse. In: GODDIN, R.; PETTIT, P. (Eds). The blackwell companion to contemporary political philosophy. Oxford: Blacwell, 1993.

LACLAU, E. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. Trad. Joanildo Burity, Josias de Paula Jr. e Aécio Amaral. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Posmarxismo sin pedido de desculpas. In: Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 2000. p. 111-145.

LEITE, C. O currículo e o multiculturalismo no sistema educativo português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

LEITE, C. Políticas de currículo em Portugal e (im)possibilidades da escola se assumir como uma instituição curricularmente inteligente. Currículo Sem Fronteiras, v. 6, n. 2, p. 67-81, jul./dez. 2006.

LEITE, C.; FERNANDES, P. Desafios aos professores na construção de mudanças educacionais e curriculares: Que possibilidades e que constrangimentos. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 198-204, 2010.

LEITE, C.; FERNANDES, P.; FIGUEIREDO, C. National curriculum vs curricular contextualisation: teachers’ perspectives. Educational Studies, v. 46, n. 3, p. 259-272, 2019.

LOPES, A. C. Teorias Pós-Críticas, Política e Currículo. Educação, Sociedade & Culturas, n. 39, p. 7-23, 2013.

LYRIO, K. A. O currículo por projetos na educação infantil: sobre as negociações, traduções e burlas. In: REUNIÃO DA ANPED, 33., 2010, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, 2010.

MELO, M. J. C. de; SILVA, M. A.; ALMEIDA, L. A. A. A construção histórica de sentidos sobre Estágio Supervisionado e Didática nos cursos de Pedagogia: uma análise a partir das produções teóricas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 9, p. 60-70, 2014.

PACHECO, J. A.; SOUSA, J. Políticas curriculares no período pós- LBSE (1986-2017). Ciclos de mudança na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário. In: PACHECO, J. A.; ROLDÃO, M. do C.; ESTRELA, M. T. (Orgs.). Estudos de Currículo. Portugal: Porto Editora, 2018.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 6/2001. Ministério da Educação. Diário da República, n. 15/2001, Série I-A, 18 jan. 2001.

PORTUGAL. Despacho n. 6478/2017. Educação - Gabinete do Secretário de Estado da Educação. Diário da República, n. 143/2017, Série II. 26 jul. 2017.

PORTUGAL. Despacho n. 6944-A/2018. Gabinete do Secretário de Estado da Educação. Diário da República, n. 138/2018, Série II, 19 jul. 2018.

PORTUGAL. Despacho n. 9590/99. Secretário de Estado da Educação e Inovação-Ministério da Educação. Diário da República, n. 112/1999, Série II, 14 maio 1999.

PORTUGAL. Despacho n. 4848/97. Ministério da Educação - Secretário de Estado da Educação e Inovação. Diário da República, n. 174/1997, Série II, 30 jul. 1997.

PORTUGAL. Despacho n. 5908/2017, Educação - Gabinete do Secretário de Estado da Educação. Diário da República, n. 128/2017, Série II, 05 jul. 2017.

PRIESTLEY, M.; BIESTA, G.; ROBINSON, S. Teacher agency: what is it and why does it matter? In: KNEYBER, R.; EVERS, J. (Eds.). Flip the system: changing education from the bottom up. London: Routledge, 2015. p. 134-148.

PRIESTLEY, M.; BIESTA, G.; ROBINSON, S. Teachers as agents of change: teacher agency and emerging models of curriculum. In: PRIESTLEY, M.; BIESTA, G. J. J. (Eds.). Reinventing the curriculum: new trends in curriculum policy and practice. London: Bloomsbury Academic, 2013. p. 187-206.

ROLDÃO, M. do C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v. 12, n. 34, jan./abr. 2007.

Downloads

Publicado

08/05/2020

Como Citar

CARVALHO DE MELO, M. J.; ANDRADE ATAIDE DE ALMEIDA, L.; LEITE, C. Práticas curriculares coletivas de professores do 1º Ciclo da Educação Básica de Portugal. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. 4, p. 2006–2022, 2020. DOI: 10.21723/riaee.v15i4.12714. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/12714. Acesso em: 5 mar. 2021.