As novas diretrizes curriculares nacionais para formação inicial e continuada de professores da educação básica: entre recorrências e novas inquietações

Mirtes Gonçalves Honório, Maria do Socorro Leal Lopes, Francisca Lourdes Santos Leal, Teresa Christina Torres Honório, Vilmar Aires dos Santos

Resumo


O presente artigo resulta do esforço coletivo, a partir da produção de conhecimento, construído no Núcleo de Estudos Pesquisa e Extensão sobre Formação de Professores e Práticas Educativas – NEFORPE, da Universidade Federal do Piauí,  no sentido de compreender, analisar e refletir acerca do que preconizam as novas diretrizes curriculares nacionais para a formação dos profissionais do magistério da educação básica e sobre os possíveis impactos decorrentes dessas diretrizes na institucionalização e nas práticas curriculares dos cursos de formação de professores, na direção de uma nova concepção de formação docente.


Palavras-chave


Política de formação de professores. Formação inicial. Formação continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e dá outras providências. Brasília/DF: MEC, 2009a.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei nº 13.005/2014. Presidência da República, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1, n. 124, p. 8-12, 02 de julho de 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Parecer nº 2/2015, de 9 de junho de 2015. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Seção 1, Pág. 13, de 25 de junho de 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 6, de 20 de setembro de 2012, dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 21 de setembro de 2012, Seção 1, p. 22.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010 dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 14 de julho de 2010, Seção 1, p. 824, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento Final da Conferência Nacional de Educação (Conae). Brasília, MEC, 2010. Disponível em . Acesso em: 10 jan. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento Final da Conferência Nacional de Educação (Conae). Brasília, MEC, 2014. Disponível em . Acesso em: 10 jan. 2016.

BRASIL, Constituição (1988). Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União - Seção 2 Edição nr 247 de 27/12/2006, p. 15.

BRASIL, Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 Edição nr 65 de 05/04/2013, p.1.

BRASIL, Lei nº 12.056, de 13 de outubro de 2009. Acrescenta parágrafos ao art. 62 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União - Seção 1 Edição nr 196 de 14/10/2009

BRASIL. Lei nº 12.014, de 6 de agosto de 2009. Altera o art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com a finalidade de discriminar as categorias de trabalhadores que se devem considerar profissionais da educação. Diário Oficial da União - Seção 1 Edição nr 150 de 07/08/2009.

DOURADO, L. F.; PARO, V. H. (orgs.). Políticas públicas & educação básica. São Paulo: Xamã, 2001.

DOURADO, L. F. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade, Campinas v. 36 nº 131, p. 299-324, abr.- jun., 2015.

BRZEZINSKI, I. Diretrizes para a formação docente: desafios e perspectivas. X Seminário Nacional da Anfope e III Simpósio de Formação de Professores do IFB 2015.

GOMEZ, A. I. P. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução crítica do conhecimento e da experiência. In: SACRISTÀN, J. G. & GOMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2000.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PEREIRA, J. Formação de profissionais da Educação. Revista Educação e sociedade, Campinas, nº 68, 2ª edição, 1999.

ZEICHENER, K. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educar, 2001.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.3.2017.8532



Direitos autorais 2017 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.