Relação de gênero na educação infantil: apontamentos da literatura científica

Alessandra Cristina Bolfe Giachini, Andreza Marques de Castro Leão

Resumo


O intento deste trabalho é investigar na literatura científica como as crianças aprendem sobre as relações de gênero no cotidiano institucional da educação infantil, visto que embora tenham pouca idade elas aprendem a diferenciar os atributos ditos como masculinos e femininos, e também assimilam o uso das cores, dos brinquedos diferenciados para cada sexo e os papéis atribuídos a mulheres e a homens. Essa diferenciação se enraíza de tal forma que será a base das futuras desigualdades refletidas na vida adulta. Dessa forma, as crianças vão construindo suas identidades e introjetando padrões com posturas discriminatórias que dificilmente serão modificadas. Neste cenário repousa a importância de que tanto os educadores, quanto as crianças tenham no processo educativo a oportunidade de ressignificar as relações de gênero que lhes foram atribuídos, porquanto ser homem, ser mulher ou, simplesmente, ser diferente é ser capaz de apresentar características pessoais que faz cada pessoa única e distinta.

Palavras-chave


Relações de gênero. Educação Infantil. Professor.

Texto completo:

PDF

Referências


ANGERS, M. A sociologia e o conhecimento de si. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

AZEVEDO, R. H. S. Identidade sexual. In: RIBEIRO, M. (Org.). Educação sexual: novas idéias, novas conquistas. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993.

BONAMIGO, E. M. de R; KUDE, V. M. M. Brincar: brincadeira ou coisa séria? Porto Alegre: Educação & Realidade, 1991.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001

COSTA, C. L. O leito de procusto: gênero, linguagem e as teorias feministas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 2, p. 141-174, 1994.

FELIPE, J.; BELLO, A. T. Construção de comportamentos homofóbicos no cotidiano da educação infantil. In: BRASIL. Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Ministério da Educação: SECAD, 2009.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: arte do disfarce. Rio de Janeiro, Achiamé, 1982.

LEÃO, A. M. C. A percepção do(a)s professore(a)s e coordenadore(a)s dos cursos de Pedagogia da Unesp quanto à inserção da sexualidade e da educação sexual no currículo: analisando os entraves e as possibilidades para sua abrangência. 259f. Relatório de Pós-Doutorado (Sexologia e Educação Sexual), Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2012.

LEÃO, A. M. C.; OLIVEIRA, C. D.; GARBUIO, K. O brincar na educação infantil: elementos para reflexão do professor acerca da sexualidade e das relações de gênero. In: X Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, Águas de Lindóis. Anais.... Águas de Lindóia, 2009. 1CD Rom.

LEÃO, A. M. C.; RIBEIRO, P. R. M. Sexualidade sem trauma: trabalhando gênero e corpo com crianças de uma escola municipal de educação infantil. In: MONTEIRO, S. A. I. (org.). Educação na contemporaneidade: reflexão e pesquisa. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011.

LOPES, M. de F.; PINTO, T. de O. Corpos e condutas: indicadores de gênero no universo infantil. Disponível em: . Acesso em: abr. 2012.

LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes,1997.

LOURO, G. L. A escola e a pluralidade dos tempos e espaços. In: COSTA, M. V. (Org.). Escola Básica na virada do século: Cultura, política e currículo. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, L. M. A brincadeira de papéis sociais e a formação da personalidade. In: ARCE, A.; DUARTE, N. (Org.). Brincadeira de papéis sociais na educação infantil: as contribuições de Vigotsky, Leontiev e Elkonin. São Paulo: Xamã, 2006.

MELLO, A. M. Guarda-chuva 1: A construção da identidade na infância. In: MELLO, A. M. et al. (Org.). O dia a dia das creches e pré-escolas – Crônicas brasileiras. Porto Alegre: Artmed, 2010.

NASCIMENTO, M. L. B. P. As creches como lugares de construção de culturas, relações e história (s). In: MELLO, A. M. (Org.). O dia a dia das creches e pré- escolas: crônicas brasileiras. Porto Alegre: Artemed, 2010.

PELÚCIO, L. Desfazendo o gênero. In: MISKOLCI, R.; LEITE JUNIOR, J. Diferenças na educação: outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCAR, 2014.

SARMENTO, M. J. Imaginário e culturas da infância. In: Jornada “educação e imaginário”. Universidade do Minho, Portugal, 2003.

SAYÃO, D. T. A Construção de identidades e papéis de gênero na infância: articulando temas para pensar o trabalho pedagógico da educação física na educação infantil. Pensar a Prática, v. 2, 2002.

SIMIÃO, D. S. Gênero no mundo do trabalho. Brasília, Mimeo, 2000.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez, 1990.

SOUZA, F. C.; LEÃO, A. M. C. Entre o discurso pedagógico e ideológico na escola: estereótipos de classe, raça e gênero. Anais Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, 2008.

WAJSKOP, G. O brincar na Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.92, p. 62-69, fev. 1995.

WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1999.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v11.n3.9038



Direitos autorais 2016 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.