A prática pedagógica no atendimento educacional especializado para o aluno com deficiência intelectual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.12965

Palavras-chave:

Prática pedagógica, Deficiência intelectual, Atendimento educacional especializado.

Resumo

O Atendimento Educacional Especializado – AEE está voltado para atender as necessidades dos alunos com deficiência em horários opostos aos das aulas do ensino regular. O presente estudo teve por objetivo descrever a prática pedagógica de uma professora de educação especial para desenvolver o pensamento lógico-matemático dos alunos com deficiência intelectual em uma sala de apoio especializado – AEE de uma escola estadual de uma cidade do interior paulista. Trata-se de um estudo qualitativo, de cunho descritivo e exploratório, caracterizando-se por um estudo de caso. Para coleta de dados utilizou-se os seguintes instrumentos: entrevista aberta e observação participante. Os resultados apontaram que a prática pedagógica da professora está voltada para a relação professor/aluno, na interação social e na estimulação do aprendizado, visando a construção do conhecimento para a superação das dificuldades.

Biografia do Autor

Luci Pastor Manzoli, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Professora aposentada do Dep. de Didática. Vinculada ao Programa de Pos Graduação em Educação Escolar. Realiza estudos e pesquisas  na  área da educação especial

Bruna Rafaela de Batista, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação Escolar.

Caio Vinicius dos Santos, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestrando do Programa de Pós Graduação em Educação Escolar.

Referências

AMERICAN ASSOCIATION ON INTELLECTUAL AND DEVELOPMENTAL DISABILITIES – AAIDD. Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports. Washington, DC: AAIDD, 2010.

BRASIL. MEC/SEESP. Salas de recursos multifuncionais espaço para atendimento educacional especializado. Brasília, DF, 2006.

BRASIL SEEP/SEED/MEC. Atendimento educacional especializado deficiência mental. Brasília, DF, 2007.

BRASIL, Decreto 7.611 de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: ago. 2019.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Trad. Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

CAVALCANTI, L. S. Cotidiano, mediação pedagógica e formação de conceitos: uma contribuição de Vygotsky ao ensino de geografia. Cad. Cedes, Campinas, v. 25, n. 66, p. 185-207, maio/ago. 2005. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n66/a04v2566.pdf. Acesso em: ago. 2019.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MOREIRA, D. A. O método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

NUERNBERG, A. H. Contribuições de Vigotski para a educação de pessoas com deficiência visual. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p. 307-316, abr./jun. 2008.

OLIVEIRA. M. K. de. Vygotsky: Aprendizado e Desenvolvimento, um Processo Sócio Histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione, 1993.

OLIVEIRA, M. F. Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em administração. Catalão-GO, 2011. Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão, Curso de Administração. Disponível em: https://adm.catalao.ufg.br/up/567/o/Manual_de_metodologia_cientifica_-_Prof_Maxwell.pdf. Acesso em: mar. 2019.

PERRENOUD, P. Avaliação: Da excelência à regularização das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: ARANTES, V. A. (Org.). Inclusão Escolar. 7. ed. São Paulo: Summus, 2006. Cap. 1. p. 31-73.

QUEIROGA, F. et al. Avaliação formativa em psicologia: instrumento para análise de material instrucional. Psicologia Ciência e Profissão, v. 29, n. 4, p. 796-811, Brasília, 2009.

SASSAKI, R. K. O direito à educação inclusiva, segundo a ONU. In: A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Comentada. Brasília: Corde, 2007.

SILVA, F. G. et al. Um estudo sobre a defectologia na perspectiva vigotskiana: a aprendizagem do deficiente intelectual em reflexão. In: Anais do XI Congresso Nacional de Educação – Educere. 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/ANAIS2013/pdf/9698_6556.pdf. Acesso em: jun. 2019.

VYGOTSKY, L. S. A Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Downloads

Publicado

20/02/2020

Como Citar

Manzoli, L. P., Batista, B. R. de, & Santos, C. V. dos. (2020). A prática pedagógica no atendimento educacional especializado para o aluno com deficiência intelectual. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 15(3), 1250–1264. https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.12965