Sexo e deficiência

Educação sexual de discentes com deficiência intelectual segundo suas professoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v18i00.17162

Palavras-chave:

Educação Especial, Sexualidade, Educação sexual

Resumo

O trabalho com temas da educação sexual com pessoas com deficiência intelectual é algo necessário, contudo, muitos profissionais que atendem esse público podem considerar desafiador. O objetivo desta pesquisa foi explorar os discursos sobre deficiência intelectual, sexo e sexualidade de professoras atuantes na educação especial. Para tal, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com cinco professoras da área. Este material foi analisado qualitativamente a partir da genealogia de Foucault. Os resultados mostraram que as professoras realizam atividades básicas de orientação com seus alunos, evitando temas complexos como violência sexual. A maioria das professoras se espanta com manifestações sexuais de seus discentes, os submetendo a um elaborado sistema de vigilância e controle do corpo. Contatou-se que a educação sexual se concretiza dualmente, em conjunto com a punição e vigilância do corpo. São necessários programas de formação docente para a desconstrução de preconceitos e a elaboração de projetos de educação sexual respeitosos e emancipatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Jose Gavlik Mendes, Universidade Federal de São Carlos

Doutor em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial do Departamento de Psicologia.

Fátima Elisabeth Denari, Universidade Federal de São Carlos

Professora Titular do Departamento de Psicologia.

Referências

APA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. American Psychiatric Association. 5. ed. Porto Alegre: Artmed. 2014.

BRASIL. Lei n. 13.146 de 6 de julho de 2015. Estatuto da pessoa com deficiência. Lei Brasileira de Inclusão. Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 10 fev. 2023.

DENARI, F. E. Adolescência, afetividade, sexualidade e deficiência intelectual: o direito ao ser/estar. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, v. 5, n. 1, p. 44–52, 2011.

DESJARDINS, M. The Sexualized Body of the Child. Parents and the Politics of “Voluntary” Sterilization of People Labeled Intellectually Disabled. In: MCRUER, R.; MOLLOW, A. Sex and Disability. [S. l.]: Duke University Press. 2012.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em revista, n. 24, p. 213-225, 2004.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Educação sexual: como ensinar no espaço da escola. In: FIGUEIRÓ, M. N. D. (org.). Educação sexual: múltiplos temas, compromisso comum. Londrina, PR: UEL, 2009.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2017a.

FOUCAULT, M. História da sexualidade II: O uso dos prazeres. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2017b.

FOUCAULT, M. História da sexualidade III: O cuidado de si. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2017c.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2017d.

GIAMI, A. O Anjo e a Fera: Sexualidade, Deficiência Mental, Instituição. [S. l.]: Casa do Psicólogo, 2004.

MAIA, A. C. B. et al. Educação sexual para pessoas com deficiência física. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 10, n. 1, p. 215-224, 2015.

MCRUER, R. Crip Times: Disability, Globalization, and Resistance. New York: NYU Press, 2018.

MENDES, M. J. G. DENARI, F. E. Sexo e deficiência: Discursos de jovens diagnosticados com deficiência intelectual e de seus familiares. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 1, p. 0263-0280, jan./mar. 2022.

MENDES, M. J. G; DENARI, F. E. Deficiência e Sexualidade: Uma Análise Bibliométrica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1357-1354, jul., 2019.

MEYER, C. A. Livro "O que é privacidade?": uma ferramenta de prevenção da violência sexual para crianças. 2017. 110 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Sexual) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2017.

MONTEIRO, S. A. S.; STORTO, L. J. Educação infantil: uma reflexão plural da história e da sexualidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 1, p. 237–252, 2019.

OLIVEIRA, M. F. C.; MUZZETI, L. R. A interferência da herança cultural na educação sexual de agentes escolares: um estudo de uma instituição infantil do interior paulista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. 1, p. 176–188, 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). World report on violence and health. Geneva: OMS, 2002.

OTTONI, A. C. V.; MAIA, A. C. B. Considerações sobre a sexualidade e educação sexual de pessoas com transtorno do espectro autista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1265–1283, 2019.

RIBEIRO, M. Educação sexual além da informação. São Paulo: EPU, 1990.

SIEBERS, T. A sexual culture for disabled people. In: MCRUER, R.; MOLLOW, A. Sex and Disability. [S. l.]: Duke University Press. 2012.

UNFPA. Women and Young Persons with Disabilities: Guidelines for Providing Rights#Based and Gender-Responsive Services to Address Gender-Based Violence and Sexual and Reproductive Health and Rights. Nova York: UNPF, 2018a.

UNFPA. Young Persons with Disabilities: Global Study on Ending Gender -Based Violence, and Realising Sexual and Reproductive Health and Rights. Nova York: UNPF, 2018b.

VIANA, F. R.; GOMES, A. L. L. A produção escrita de pessoas com deficiência intelectual na interação com as tecnologias digitais da informação e comunicação. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 30, n. 58, p. 297-311, 2017.

WEREBE, M. J. G. Sexualidade, Política, Educação. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

Publicado

09/10/2023

Como Citar

MENDES, M. J. G.; DENARI, F. E. Sexo e deficiência: Educação sexual de discentes com deficiência intelectual segundo suas professoras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 18, n. 00, p. e023091, 2023. DOI: 10.21723/riaee.v18i00.17162. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/17162. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos teóricos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.