A educação ambiental na formação dos engenheiros florestais: análise curricular e DCNEA

Elaine das Graças Frade, José Luiz Pereira de Rezende

Resumo


 

A construção de Projetos Pedagógicos de Curso (PPC) em atendimento as  Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) tornou-se um desafio para as instituições de ensino superior principalmente a partir de 2003, após a aprovação da Lei de Diretrizes e Bases (LDB). Este artigo analisa as DCN para a Educação Ambiental (EA), instituídas pela Resolução do Ministério da Educação Nº 02 de 15.06.2012, onde estão previstas as ações de EA necessárias aos PPC em observância da Política Nacional de Educação Ambiental de 1999, e com a finalidade de desenvolvimento da formação profissional. Este estudo é parte de uma pesquisa de doutorado que envolveu três instituições federais. Objetiva-se neste recorte, analisar as DCNEA e o PPC do curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Lavras (UFLA), com o propósito de identificar ações e metodologias adequadas em EA e possíveis espaços para adequação. Utilizou-se dos dados do ENADE (2011) para definir este objetivo de estudo, pois o curso da UFLA obteve a melhor nota neste exame. Definiu-se como estratégia metodológica a pesquisa qualitativa com revisão de literatura, e análise documental em legislações ambientais brasileiras, bem como nas DCN para cursos de Engenharia Florestal, DCNEA e PPC de Engenharia Florestal da UFLA. Após a análise do PPC foi possível perceber que no PPC da UFLA será necessária uma adequação com relação aos princípios da EA previstos na DCNEA.


Palavras-chave


Projeto pedagógico de curso. Currículo. Ensino superior.

Texto completo:

PDF

Referências


BACELLAR, R. M. B. Reflexões sobre a ética do advogado empresarial nas questões ambientais. In: GALLI, A. Direito socioambiental: homenagem a Vladimir passos de Freitas. 1ª ed. 1 reimpr, v. 1. Curitiba: Juruá, 2011.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education. Boston:

Allyn and Bacon, 1991.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº 02 de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://mobile.cnte.org.br:8080/legislacao-externo/rest/lei/89/pdf. Acesso em: 03 jun. 2014.

BRASIL. Resolução Nº: 02, de 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/rces002_07.pdf. Acesso em: 10 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução Nº 3, de 2 de fevereiro de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Florestal e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces03_06.pdf. Acesso em: 03 jun. 2014.

BRASIL. Instituto Nacional de Estatística (INEP). Manual do ENADE 2014. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/manuais/manual_enade_2014.pdf. Acesso em: 03 jun. 2014.

BRASIL. Instituto Nacional de Estatística (INEP). Site oficial do INEP. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/enade. Acesso em: 31 mar. 2015

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer 776/97. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/superior/legisla_superior_parecer77697.pdf. Acesso em: 05 jan. 2015.

BRASIL. Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf. Acesso em: 05 jan. 2015.

BRITO, R. L. G. L. de.; SAUL, A. M.; ALVES, D. R. M. (Orgs.). Paulo Freire: contribuições para o ensino, a pesquisa e a gestão da educação. In: DEORCE, M. S. A Educação Profissional por vias da educação ambiental crítica: contribuições para uma formação humana emancipatória. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2014, p. 226 – 246.

CASTANHO, S.E.M. A Universidade entre o Sim, o Não e o Talvez. IN: VEIGA, I. P. A.; CASTANHO, M. E. L. M. (orgs.). Campinas, SP: Papirus, 2000. Pedagogia universitária: a aula em foco. Papirus (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico, 2000. p. 13 - 50.

FIGUEIREDO, E. S. A. de. Reforma do Ensino Superior no Brasil: um olhar a partir da história. Revista da UFG - Tema Ensino Superior. Ano VII, n. 2, dezembro de 2005.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 16ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

MINAYO, M. C. S. (Org). Pesquisa Social: teoria método e criatividade. 29ª Ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MORAIS, J. F. R. A criticidade como fundamento do humano. IN: VEIGA, I. P. A.; CASTANHO, M. E. L. M. (Orgs.). Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas, SP: Papirus, 2000. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico). p. 51–74.

MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. da. (Org.) Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. Lista de Cursos Pós-Graduação Stricto Sensu. Disponível em: http://www.prg.ufla.br/site/cursos/. Acesso em: 09 jan. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n1.2018.9114



Direitos autorais 2018 Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação

 

Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1982-5587, ISSN: 2446-8606.

DOI Prefix: 10.21723/riaee

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.