A origem do plano nacional de educação e como ele abordou as questões de gênero

Autores

  • José Jairo Vieira Universidade Federal do Rio e Janeiro
  • Carla Chagas Ramalho Universidade Federal do rio de Janeiro
  • Andréa Lopes da Costa Vieira Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9746

Palavras-chave:

Políticas públicas de educação. Plano nacional de educação. Gênero.

Resumo

Este trabalho traz a construção histórica do Plano Nacional de Educação, mostra como a realidade político social influenciou e influência a sua formatação ou até, em alguns momentos, impossibilitou-a. Após essa construção histórica, iremos analisar como o tema gênero transcorre, ou não, de forma direta no decorrer dos textos dos respectivos Planos Nacionais de Educação. Esse artigo traz como objetivo o questionamento de até onde a abordagem gênero, é feita no Plano Nacional de Educação que norteia o sistema educacional do país. Por fim faremos algumas conclusões de como um país, como o Brasil, que se encontra na sétima posição relacionada a violência contra mulheres (no ranking mundial), deveria se portar em seus documentos educacionais para incentivar as problematizações sobre identidade de gênero nas escolas e deixar de tornar um assunto tabu, para procurar, efetivamente, reduzir o número de crimes direcionados a mulheres como, também, todas as violências relacionadas a gênero.

Biografia do Autor

José Jairo Vieira, Universidade Federal do Rio e Janeiro

Professor Associado da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UFRJ. Criador e Coordenador do Laboratório de Pesquisa em Desigualdade e Diversidade de Corpo, Raça e Gênero (LADECORGEN) da UFRJ. Coordenador do GT Esporte, Cultura e Sociedade da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS - anos de  2002-2003-2004-2005-2007). Coordenador do GT Sociologia do Esporte e Lazer da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS - anos de 2003, 2005, 2009, 2011, 2013, 2015 e 2017). Coordenador do Gt de Sociologia do Esporte do Congresso Luso-Afro Brasileiro de Ciências Sociais (CONLAB),nos encontros de Salvador (2011), Portugal (2015). Possui duas graduações: uma em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1991) e outra em Ciências Sociais:Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), mestrado em Ciências do Esporte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1995) e Doutorado em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro/IUPERJ (2001). Principais áreas de atuação Políticas de Acesso e Permanência no Ensino Superior; Movimentos Socais, Sociologia do Esporte; Corpo, Educação e Sociedade; Desigualdade e discriminação de gênero e raça, Esporte, Sociedade e Educação; Corpo, Gênero e Educação; Racismo e esporte; Estudos Econômicos, Educacionais, Sociais, Históricos e Estatísticos da Relações Raciais, temas em EaD.

Carla Chagas Ramalho, Universidade Federal do rio de Janeiro

Mestre em Educação pela Universidade Fderal do Rio de Janeiro.

Andréa Lopes da Costa Vieira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestrado em Ciências Sociais: Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro - IUPERJ e doutorado em Ciências Sociais: Sociologia pelo Instituto de Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro - IUPERJ. É Professora Associada I no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde também integra o quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social (PPGMS). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Política, atuando principalmente nos seguintes temas: ações afirmativas, acesso e permanência no ensino superior, políticas sociais, desigualdades sociais, relações raciais e relações de gênero. Desenvolve ainda trabalhos na área de memória social, em especial, na inter-relação entre memória, identidade e espaço. Coordena o GT de Relações Raciais e Étnicas: Desigualdades e Políticas Públicas na Sociedade Brasileira de Sociologia (2016-2017

Referências

BONAMIGO ET AL, História da educação básica brasileria: uma avaliação do plano nacional de educação 2001-2010. IX ANPED-Sul. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. 2012

BRASIL. Plano Nacional de Educação, 2000. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/pne.pdf>. Acesso em: 17 jan. 2014.

BRASIL. Lei n. º 9.394. de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 17 jan. 2014.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Plano Nacional de educação: proposta da sociedade brasileira. 1997.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Por um novo Plano Nacional de Educação. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, vol. 41, n. 144, p. 790-811, set./dez. 2011

LEHER, Roberto. 25 anos de Educação Publica no Brasil: notas para um balanço do período. In: GUIMARÃES, Catia.; BRASIL, Isabel.; MOROSINI, Márcia. Trabalho, Educação e Saúde: 25 anos de formação Politécnica no SUS. Rio de Janeiro: EPSJV(Fiocruz), 2010

LOURO, Guacira. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2011.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Revinter, 1995.

SAVIANI, Demerval. (2008). O legado educacional do regime militar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez.

SHIROMA, E.; MORAES, M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro. Lamparina, 2007.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012. Atualização: homicídio de mulheres no Brasil. Rio de Janeiro. Cebela/Flacso. 2012

Downloads

Publicado

15/01/2017

Como Citar

Vieira, J. J., Ramalho, C. C., & Vieira, A. L. da C. (2017). A origem do plano nacional de educação e como ele abordou as questões de gênero. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 64–80. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n1.2017.9746

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.