A Gestão do Conhecimento e as expertizes desenvolvidas no Ensino Superior

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10442

Palavras-chave:

Conhecimento. Gestão. Ensino superior.

Resumo

O artigo aprofunda reflexões sobre a gestão do conhecimento frente às inovações tecnológicas, descrevendo aspectos da sociedade atual na busca pela aquisição e estruturação de habilidades para atender um mercado de trabalho em constante mudança. Em um universo laboral cada vez mais empreendedor, o aprimoramento contínuo da força de trabalho para incorporar tecnologias inovadoras é exigência capaz de fazer diferença para ingresso e permanência em organizações complexas. Os centros formadores de profissionais de nível superior devem graduar para atender uma sociedade que demanda lideranças com compromisso social e sólida formação para resolução de desafios tecnológicos através de procedimentos éticos e politicamente corretos. Algumas expertises demandam desenvolvimento ao longo da vida, desde a formação básica até as etapas que se seguem à graduação, e estão relacionadas à construção de relações humanizadas no trabalho através da interação entre os campos profissionais, nos quais trabalhadores são conduzidos a refletir sobre suas ações no contexto social, político, econômico, profissional e tecnológico.

Biografia do Autor

José Anderson Santos Cruz, Faculdade de Ciências e Letras, FCLAr/UNESP, Araraquara; Faculdade Anhanguera, Bauru

Doutorando em Educação Escolar: Política e Gestão Educacional pela Faculdade de Ciências e Letras - FCLAr/UNESP - Araraquara/SP (Pesquisa sobre Metodologias Ativas - MAs, especialmente a Sala de Aula Invertida - SAI, Blended Learning). Desenvolvendo trabalhos e pesquisas sobre Internacionalização da Educação, Estudos sobre TVD entre Brasil, Portugal e Espanha. Estudos sobre DOI, indexação para revistas científicas. Avaliador das Revistas: Educitec - AM e Cadernos de Educação, Tecnologia e Sociedade - IFG. Mestre em Educação Assistida por Televisão Digital (UNESP) - Programa de Pós-graduação em TV Digital: Informação e Conhecimento (Atual Programa de Pós-graduação Mídias e Tecnologias - desde 07/2015) pela FAAC-UNESP-Bauru/SP ( Pesquisa sobre a Formação Profissional Inicial do Professor Universitário mediante o cenário das tecnologias e convergência tecnológica e midiática - era digital - mediação pedagógica com os meios de comunicação e tecnologias digitais). Professor Tutor em Metodologia da Pesquisa Cientifica na Pós-graduação da Faculdade Anhanguera de Bauru. Graduado em Tecnologia em Marketing pela Faculdade Anhanguera de Bauru/SP. Especialista em Antropologia pela Universidade Sagrado Coração-USC, Bauru/SP. Especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior e MBA Gestão Estratégica de Negócios pela Faculdade Anhanguera Bauru/SP. Membro da INTERCOM Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Consultor em Marketing e Comunicação, Palestrante, Gestor de Projetos e Eventos. Consultor em Serviços e Estratégias no segmento Beleza. Palestrante. Coordenação e Gestão de Projetos, Eventos Corporativos e Educacionais. Interesse e pesquisas nas áreas de Marketing, Comunicação, Mídias, Produção de Sentido, Análise do Discurso, Educação, Comunicação em Moda, Negócios, Criação, Pesquisa de Mercado, Embelezamento Pessoal, Consumidor, Administração, Relações Públicas, Comunicação e Mídia no Serviço Social, Politicas Públicas, Visagismo, Construção de Identidade, TV Digital, Educomunicação. Relações Públicas acerca das questões do Serviço Social, Análise do Discurso, Cibercultura e demais áreas que envolvem a Comunicação. Experiência em planejamento e análise de mercado; Estudo e Análise de viabilidade Econômica; Construção e desenvolvimento do Plano de Marketing e outros; Serviços de Coordenação e Supervisão de Equipes; Controle de vendas; Seleção, Desenvolvimento e Treinamento de Pessoal; Gestão de Pessoas. Supervisão Pedagógica; Administração de Departamento/Filial/Franquia; Participação de feiras e execução de eventos. Docente em cursos de especialização em cursos no segmento de beleza, visagismo, colorimetria. Integrante do Grupo de Estudos: Inovação: Planejamento estratégico, Processos Participativos e Avanços Tecnológicos (dgp.cnpq.br/dgp/espelholinha/7620460647196325191028). Orcid: http://orcid.org/0000-0001-5223-8078 - Researchgate: https://www.researchgate.net/profile/Jose_Santos_Cruz (Texto informado pelo autor).

Lattes: http://lattes.cnpq.br/2419735299778580


Referências

ARAUJO, O. H. A.; RIBEIRO, L. T.; PINHEIRO, M. N. S. Tecnologias móveis nos processos de ensino e de aprendizagem. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. 1, 95-110, jan./mar. 2016.

BACZINSKI, A. V. M.; COMAR, S. R. Gestão escolar democrática e a pedagogia histórico critica. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.20, n.2, p. 145-165, maio/ago. 2016.

BAUMAN, Z. A modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2001.

BIZELLI, J. L. Inovação: limites e possibilidades para aprender na era do conhecimento. 1. ed. São Paulo: Editora Unesp/Cultura Acadêmica, 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Artigo 207, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação, 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

DRUCKER, P. Administração de organizações sem fins lucrativos - princípios e práticas. Editora Pioneira, São Paulo, 1990.

ELIAS, A. A. Organizações inteligentes. Disponível em: <http://www.rh.com.br/portal/mudanca/artigo/4758/organizacoes-inteligentes.html>. Acesso em: 15 out. 2016.

FIGUEIREDO, S. Gestão do conhecimento. São Paulo: QualityMark, 2005.

HILLESHEIM, B. Políticas públicas e educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 10, n. 3, p. 788-796, 2015.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 5 ed. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1998.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LIBÂNEO, José Carlos. Educação escolar, políticas, estruturas e organização. 2 ed. SP: Cortez, 2005.

OCDE – Organização para a cooperação econômica e desenvolvimento. Manual de Oslo. 2ª ed., 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do Conhecimento na empresa: como as empresas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PASQUALINI, F. R.; MARTINS, R. C.; MIGUEL, J. C. O compromisso do profissional em formação com a sociedade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 11, n. 2, p. 644-666, abr./jun. 2016.

PEGORINI, M. L.; GURGEL, D. As políticas de acesso e permanência na Educação Superior. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.20, n.1, p. 21-37, jan-abr/2016.

SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. São Paulo: Editora Best Seller, 2002.

TSALLIS, Constantino. Por que pesquisa na Universidade? Ciência e Cultura, v. 37, n. 4, p.570-572, abr. 1985.

VIDAL, K. D. B.; NETO, I. R. Políticas educacionais orientadas à inovação. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.20, n.2, p. 257-270, maio/ago. 2016.

Downloads

Publicado

04/10/2017

Como Citar

Cunha, A. K., Cruz, J. A. S., & Bizelli, J. L. (2017). A Gestão do Conhecimento e as expertizes desenvolvidas no Ensino Superior. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 677–690. https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10442